A primeira exposição antológica da pintora e escritora portuguesa Teresa Balté, que percorre 50 anos de atividade artística, vai ser inaugurada no próximo dia 12, na Perve Galeria, em Lisboa.

A exposição vai reunir cerca de 90 obras, entre desenho e pintura, produzidas por Teresa Balté a partir da década de 1960. As obras, que durante muitos anos se mantiveram longe do olhar do público, advêm da coleção privada do pintor e poeta surrealista Cruzeiro Seixas.

«A mostra, com o sub-título ’50 anos depois – das palavras à pintura revelada’, proporciona ao público desenhos e pinturas intuitivas, com uma forte expressividade nas cores e nas formas dos fantasmas, máscaras, bichos, homens, mulheres, estrelas e flores que coabitam o imaginário de surrealismo lírico da artista», lê-se na página oficial da galeria lisbonense.

Teresa Balté

Um dos trabalhos da artista datado de 1986 | Foto: Perve Galeria

Apesar de visionada, ao longo dos anos, em exposições (Exposição Nacional de Artes Plásticas de Pequeno Formato, de 1985) ou livros (‘Melancolismos’, de José Oliveira), trata-se da primeira exposição antológica da faceta artística de Teresa Balté, conhecida maioritariamente pela sua poesia.

A exposição, de entrada livre, pode ser visitada até 9 de junho, de terça-feira a sábado entre as 14h e as 20h.

Lê também: Artista substitui figuras de pinturas clássicas por mulheres negras

Uma vida dedicada à escrita e à pintura

Licenciada em Filologia Germânica, Teresa Balté estreou-se no mundo literário em 1967, com a publicação do livro de poemas Estações, confinado a 500 exemplares. Para além de poesia, escreveu dois livros infantis, nomeadamente A Abelha Zulmira (1979) e O País Azul (1990).

Em 2009, assinou o livro Hein Semke – A Coragem de Ser Rosto, uma das obras biográficas mais completas dedicadas ao artista plástico alemão e seu falecido marido.

Lê também: GULBENKIAN HOMENAGEIA ESCRITOR ITALIANO ANTONIO TABUCCHI