perdidos no espaço
Fotografia: Netflix

‘Perdidos no Espaço’ é a nova aposta da Netflix

A Netflix aventurou-se para fora do planeta, com a série Perdidos no Espaço. Na sexta feira 13 deste mês poderás perceber como é que isto aconteceu, mas antes disso o Espalha-Factos dá-te umas pistas sobre o que podes esperar.

A nova aposta da plataforma de streaming é um reboot de uma série dos anos 60 com o mesmo nome. Já foi também transformada num filme nos anos 90, e é referenciada várias vezes na cultura pop.

Assim podemos perceber que é uma história apelativa ao longo das gerações. A premissa base segue a família Robinson, que se voluntariou para a colonização de um novo planeta, o Alpha Centauri. Depois de realizados testes para garantir que se adaptariam ao novo ambiente, partem para a descoberta.

Pelo caminho, sofrem um desvio e acabam por cair noutro planeta a anos luz do destino original. Lá têm de descobrir como sobreviver, tentar contactar a nave-mãe para retornar ao caminho certo, e também encontrar outros sobreviventes. A história, não sendo muito original, consegue entreter, e é também um futuro que sentimos mais próximo.

Como será o mundo daqui a 30 anos

A área que Perdidos no Espaço domina melhor são os efeitos visuais. Desde as naves, o próprio planeta e as criaturas, tem tudo um aspeto realista. É futurista mas não exagera, por exemplo nas roupas, que pouco diferem das atuais.

Se é alguma indicação da qualidade das filmagens, a Netflix sentiu-se confiante para mostrar esta série mesmo no espaço. O primeiro episódio foi transmitido pela NASA para os astronautas na Estação Espacial Internacional.

perdidos no espaço

Não se tem a sensação de que se está a ver algo feito a computador. Este realismo também ajuda a transportar o espectador para dentro da série. Apesar de cada episódio ter uma ameaça ou um acontecimento perigoso que têm de enfrentar, as relações e as descobertas vão acontecendo progressivamente.

À medida que exploram o planeta vêem que não foram os únicos a despenhar-se ali. Mais personagens também significam mais histórias e oportunidades para diversificar os estilos que a série aborda.

Quem é a Família Robinson?

O elenco é bom, com alguns atores a destacarem-se mais, como é normal. Dentro da família Robinson, as performances dos filhos estão naturais, nomeadamente Will, o mais novo. Max Jenkins está encarregue do papel icónico do rapaz que encontra o robot. Já tem alguma experiência, em Sense8 e Popstar: Never Stop Never Stopping, onde faz a versão mais nova dos protagonistas.

Judy e Penny são as irmãs que estão sempre às turras. Judy (Taylor Russell) é a mais velha e também mais séria. A filha do meio é Mina Sundwall, que está encarregue da maior parte da comédia da série. Tem uma energia mais leve e descontraída.

perdidos no espaço

Os pais são personagens interessantes porque não são o casal perfeito. Na verdade, estão com bastantes problemas, que vêm com eles já desde o planeta Terra. A interpretar Maureen está Molly Parker, de House of Cards, que nos dá uma mãe inteligente e preocupada. Toby Stephens, de Black Sails, é o militar John Robinson, que se está a esforçar para compensar os erros passados.

Dr. Smith era uma personagem mítica da série dos anos sessenta, que foi agora convertido para uma mulher. Parker Posey ficou com a responsabilidade de dar vida à manipuladora, esperta e misteriosa doutora. Já nomeada para um globo de ouro por melhor atriz secundária numa minissérie, acrescenta profundidade à série.

Para fechar o grupo principal de personagens falta Don (Ignacio Serricchio), um contrabandista que viu os seus planos ir por água abaixo. Adiciona dinâmicas interessantes com as outras personagens, e é diferente do Don West da série original. Este é menos “limpinho” e, essencialmente, modernizado.

Um original Netflix

Quando se depararam com os episódios de La Casa de Papel, da Antena3, que tinham cerca de 1 hora de duração, decidiram dividi-los em capítulos mais curtos. Nesta produção original da Netflix, a escolha foi diferente. Os episódios têm entre 50 a 60 minutos, o que faz com que pareçam verdadeiros filmes sci-fi.

Ao contrário de um filme, a ação não fica completamente resolvida, também provavelmente porque os episódios são logo todos divulgados. Para perceber na totalidade os acontecimentos é preciso seguir a linha dos episódios. Não faria tanto sentido ter histórias com início, meio e fim, porque o objetivo da plataforma é que sejam consumidos de seguida.

No fundo esta é uma série familiar que tem uma dimensão extra de vida noutro planeta bastante realista. Perdidos no Espaço tem o potencial para conquistar o público, com o desenvolvimento das questões mais basilares sobre a sobrevivência e o futuro.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Alba Baptista em Warrior Nun
Alba Baptista. Quem é a nova cara portuguesa na Netflix?