A marca que até agora só estava disponível através de importação prepara-se para oficializar a relação com os consumidores portugueses. O Espalha-Factos reuniu alguns dos pontos mais importantes para saberes como te preparar para a aguardada chegada da Xiaomi a Portugal.

Depois de Espanha em 2017, a Xiaomi continua a expansão ibérica com a chegada a Portugal este ano. O mercado nacional passará a contar com distribuição, garantia e reparação dos produtos Xiaomi diretamente pela marca ou através dos seus parceiros.

Segundo o site TekGenius, os seus smartphones e outros dispositivos estarão disponíveis muito brevemente nas lojas Fnac, Worten e Media Markt, sujeitos aos mesmos critérios e regulamentos europeus que todas as outras marcas vendidas em Portugal.

Está planeada a abertura de três Mi Stores que se especializam em produtos Xiaomi, tal como as lojas dedicadas única e exclusivamente à Apple ou à Samsung.

Apresentação Xiaomi em Espanha

Fotografia: Xiaomi

Espera-se que sejam também vendidos através das três operadoras, embora ainda nada tenha sido confirmado.

Os preços, à semelhança do que acontece em Espanha, vão ser ligeiramente superiores àqueles praticados na China. Contudo, esta diferença mais do que se faz valer pela garantia mínima de dois anos associada ao produto.

A garantia cobre quaisquer defeitos de fábrica ou problemas de funcionamento que o utilizador possa encontrar, algo com as opções disponíveis até agora em Portugal não era possível.

Em muitas lojas, existe ainda a opção de adicionar um seguro opcional mais completo no ato da compra, ideal para quem tem relações complicadas com ecrãs estilhaçados.

Um fenómeno passa-a-palavra

Com apenas sete anos no mercado dos smartphones, a marca chinesa tornou-se conhecida em pouco tempo ao lançar dispositivos de alta qualidade a preços mais baixos do que a concorrência.

Xiaomi Redmi 5

Imagem: Xiaomi

No ocidente, a notoriedade da marca veio quase inteiramente por comunicação word-of-mouth, através de recomendações pessoais ou publicações e fóruns de gadgets.

Mas até agora, aqueles interessados num Xiaomi tinham duas opções: importar diretamente da China ou comprar em lojas como a Gearbest que se especializam em produtos  que não estão disponíveis no mercado português.

Como já foi referido, estes dispositivos não contam com qualquer garantia ou serviço pós-venda oficial, e a própria conectividade pode não ser compatível.

Isto porque, ao contrário dos standards Wi-Fi que se mantêm relativamente universais, cada rede móvel em cada país usa bandas de frequência rádio diferentes para distribuir dados. Assim, é comum encomendar um smartphone 4G atual e apenas conseguir usar velocidades limitadas em território nacional.

Para além dos smartphones

A Xiaomi tem vindo a diversificar o seu portefólio, que inclui computadores, acessórios “smart home” e até eletrodomésticos de cozinha e carteiras.

Yeelight Smart Lamp

Fotografia: Xiaomi

Ainda não está confirmado se algum produto para além dos smartphones vai fazer a travessia, mas é certo que a marca tem o potencial de causar alguma disrupção no mundo tecnológico, caso o escolha fazer.