A noite era de consagração dos autores, mas acabou por servir para contestação das políticas. O Prémio Autores, atribuído esta terça-feira (20) pela Sociedade Portuguesa de Autores, reconheceu os melhores da cultura em Portugal e ficou marcado pelas intervenções contra as piores situações no setor.

Foi Inês Pereira, quando recebeu o prémio de Melhor Espetáculo, para A vertigem dos animais antes do abate, com encenação de Jorge Silva Melo, que deu o tom. Em nome de mais de 650 atores, que assinaram um comunicado contra os atrasos da Direção-Geral das Artes (DGArtes), sublinhou a “esperança” com que viram a “nova Secretaria de Estado da Cultura“, mas também a frustração existente, depois de em 2017 se ter verificado “a mesma situação de miséria que se instalou no quadriénio anterior“.

À medida que se avançava nas categorias deste Prémio Autores, aumentava a pressão para o Governo. João Pedro Mamede, vencedor pelo melhor texto português representado, Marcha Invencível, avançou contra o “Novo Modelo de Apoio” anunciado por António Costa, “um tremendo disparate” que diz confundir “iniciativas de Estado e iniciativas fora do Estado, entre criação e programação, entre companhias e salas, entre salas e teatros“.

Rita Cabaço, melhor atriz em Teatro, classificou como “desconsolador e perigoso” o reconhecimento que não é dado “à comunidade artística”, sublinhando não se sentir “com grande alento para festejar” a vitória do galardão.

Rodrigo Guedes de Carvalho, premiado na literatura, foi o primeiro jornalista a juntar-se ao coro de críticas. Quando recebeu o prémio de Melhor Livro de Ficção Narrativa, por O Pianista do Hotel, declarou subscrever e reafirmar tudo o que foi dito antes sobre os apoios às artes. Sandra Felgueiras acabou também por se destacar, não só pela solidariedade com as queixas feitas anteriormente, mas também por contestar a existência de falsos recibos verdes na RTP.

Numa nota menos negativa, Marco Martins, realizador e argumentista que venceu Melhor Filme e Melhor Argumento para São Jorge, enalteceu 2017 como um “ano fantástico” para o cinema, sublinhando ser “um ano feito de autores (…) que urge continuar a proteger“.

O ano passado foi, para o cineasta, um ano de filmes feitos “sem compromissos, sem cedências, fiéis à visão dos seus próprios autores“. Defendeu ainda que esta visão “não pode ser condicionada de nenhuma forma, quer por falta de apoio, quer nas formas como esses apoios são dados aos filmes“.

Vê aqui a lista de todos os vencedores do Prémio Autores:

Televisão

MELHOR PROGRAMA DE INFORMAÇÃO
Sexta às 9
Autoria Jornalística: Sandra Felgueiras e Soraia Ramos – RTP1

MELHOR PROGRAMA DE FICÇÃO
Ouro Verde
Autoria: Maria João Costa
Realização: Hugo de Sousa, Joel Monteiro, Nuno Franco e Paulo Brito – Plural Entertainment

Ouro Verde

Diogo Morgado protagonizou ‘Ouro Verde’, novela da TVI

MELHOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO
Janela Indiscreta
Autoria: Mário Augusto
Realização: António Sabino – RTP1

Dança

MELHOR COREOGRAFIA
Síndrome, de Olga Roriz

Rádio

MELHOR PROGRAMA DE RÁDIO
Jazz a 2, Antena 2 de João Moreira dos Santos

Artes Visuais

MELHOR EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS
Fernanda Fragateiro: dos arquivos, à matéria, à construção de Fernanda Fragateiro
MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

MELHOR TRABALHO DE FOTOGRAFIA
The Portuguese Prison Photo Project de Luís Barbosa – Centro Português de Fotografia

MELHOR TRABALHO CENOGRÁFICO
Inferno – Divina Comédia de Rui Francisco

Literatura

MELHOR LIVRO DE FICÇÃO NARRATIVA
O Pianista do Hotel de Rodrigo Guedes de Carvalho
Editora: Dom Quixote

MELHOR LIVRO DE POESIA
Tão belo como qualquer rapaz de Andreia C. Faria
Editora: Língua Morta

MELHOR LIVRO INFANTOJUVENIL
O Museu do Pensamento de Joana Bértholo
Ilustração: Pedro Semeano e Susana Diniz
Editora: Caminho

Teatro

MELHOR ESPECTÁCULO
A vertigem dos animais antes do abate
Encenação de Jorge Silva Melo

jorge-silva-melo-82d1

MELHOR ATRIZ
Rita Cabaço em A Estupidez

MELHOR ATOR
Romeu Costa em Orfãos

MELHOR TEXTO PORTUGUÊS REPRESENTADO
Marcha Invencível de João Pedro Mamede

Cinema

MELHOR ARGUMENTO
São Jorge de Marco Martins

MELHOR FILME
São Jorge de Marco Martins e Ricardo Adolfo

São Jorge

MELHOR ACTRIZ
Rita Blanco em Fátima

MELHOR ACTOR
Nuno Lopes em São Jorge

Música

Salvador Sobral

MELHOR TEMA DE MÚSICA POPULAR
Amar pelos Dois de Luísa Sobral

MELHOR TRABALHO DE MÚSICA ERUDITA
Agora muda tudo de Nuno Côrte-Real e José Luís Peixoto

MELHOR TRABALHO DE MÚSICA POPULAR
Altar de The Gift