No próximo dia 21, Ana Cristina Tavares apresenta o livro infantil A alga que queria ser flor, em Leiria, pelas 15h, no âmbito do Dia da Árvore. Esta é uma iniciativa do Centro de Interpretação Ambiental de Leiria que promove a educação ambiental.

A alga que queria ser flor é um livro infantil, publicado em edição bilingue (português e inglês), com o apoio do Projeto Educativo Europeu INQUIRE.

A narrativa, repleta de ilustrações vivas, coloridas e apelativas, conta a história de dois meninos que se deslocam até ao Jardim Botânico.

Nesse lugar verdejante e mágico, há um laguinho onde mora uma alga que tem o sonho de ser uma flor.

Para concretizar o seu grande desejo, a alga pede ajuda à Dona Botânica. Assim, primeiro transforma-se em musgo, depois em feto, de seguida em pinha e, finalmente, em flor.

Esta história que descreve a evolução botânica é complementada com jogos interativos, que ajudam os pequenos leitores a entender a diversidade vegetal, a evolução e a importância das plantas para a Vida na Terra.

Paralelamente, esta abordagem simples e lúdica à evolução vegetal desperta a curiosidade sobre a natureza ao nosso redor e sobre as plantas, vendo-as como seres vivos.

a alga que queria ser flor

Foto: site oficial da UC

Um livro pedagógico

A literatura assume uma extrema importância na educação e na formação das crianças e dos jovens, não se limitando a transmitir valores estético-literários.

Os livros estão recheados de princípios e valores morais, sociais e éticos, que ajudam a prevenir determinados comportamentos e atitudes para preservar o planeta Terra.

Na nossa sociedade, felizmente, cuidar do meio ambiente tem sido uma preocupação cada vez mais emergente.

Ana Esperança, vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Leiria, salienta que «os livros infantis são um importante instrumento de difusão informal, de conhecimento e fomento de boas práticas ambientais», acrescentando que são meios essenciais para «estimular a criatividade e consciencializar os seus leitores para o ambiente que os rodeia».

No livro A alga que queria ser flor, a autora ajuda os mais pequenos a compreender e a aprender a importância de uma boa educação ecológica.

A autarca salienta, ainda, que «através de pequenas histórias são despertados os sentidos, são dadas a conhecer realidades ambientais, dificilmente alcançáveis de outra forma», realçando que, através desta metodologia, «é possível desmistificar os mistérios das ciências e promover as descobertas no campo, o aprender fora de portas».

Lê também: Um Mundo Mágico: consciencializar as crianças através do mundo do teatro

Sobre a autora…

Ana Cristina Tavares é bióloga e conservadora do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Tem o Doutoramento em Biologia – Fisiologia Vegetal, pela Universidade de Coimbra, e o Pós-Doutoramento em Ciências da Educação, da Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Possui um diploma de pós-graduação em Educação em Jardins Botânicos, outorgado pelo famoso Jardim Botânico Real de Kew, no Reino Unido.

Durante muitos anos, foi responsável pelo Serviço Educativo do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, tendo publicado dois guias ilustrados desse jardim: Ritmos do Jardim Botânico (2011) e, em colaboração, Plantas Aromáticas e Medicinais do Jardim Botânico (2010), sob a chancela da Imprensa da Universidade de Coimbra.

Colaborou em projetos de investigação em Educação em Ciência e Biotecnologia de Plantas Aromáticas, tendo artigos publicados em revistas especializadas, com referências nacionais e internacionais.

Podes assistir em Leiria

A apresentação do livro vai ter lugar já no próximo dia 21, pelas 15h, no Centro de Interpretação Ambiental (CIA), em Leiria.

Este é o primeiro livro de um ciclo de apresentações no âmbito da promoção da educação ambiental a realizar no CIA, até ao mês de julho: O menino que queria salvar o mundo, de Filipe Monteiro (24 de março), e Graciosa, a baleia vaidosa, de Sofia Quaresma (dia 26 de maio).

No dia 13 de outubro, está também agendada uma formação destinada a professores e educadores, ministrada pela Ordem dos Biólogos, intitulada O livro infantil como ferramenta de apoio à Educação Ambiental.

Lê também: MARÇO É O MÊS DOS POETAS: #8 MÁRIO CESARINY