Numa iniciativa da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), inicia-se este ano a publicação das Obras Completas de Mário Soares, antigo primeiro-ministro e presidente da República, falecido a 7 de janeiro do ano passado.

Este projeto de publicação das obras será liderado por uma Comissão Editorial dirigida por José Manuel dos Santos, antigo assessor de Soares. Só este ano, serão publicados os dois primeiros volumes da coleção.

A iniciativa faz parte da celebração dos 250 anos da Imprensa Nacional, que serão completados em dezembro. Para além das obras do político e lutador antifascista, será ainda lançada a coleção Biblioteca José-Augusto França, uma seleção de obras, a cargo do próprio autor, a publicar em 16 volumes.

Em 2018, vão ser editados quatro títulos desta coleção: o romance Natureza Morta, que incluirá Três Pequenos Contos de ÁfricaD. Júlia e O Retornado; Charles Chaplin, o ‘Self Made Myth‘, incluindo Hitchcock Há 100 AnosAmadeo de Souza-Cardoso, o ‘Português à Força’, que inclui Almada Negreiros, o ‘Português sem Mestre’Vieira da Silva e Vieira da Silva para depois; e, finalmente, Lisboa Pombalina e o Iluminismo, que incluirá Lisboa Pombalina A Estética do Iluminismo.

No plano editorial da instituição histórica está ainda prevista a publicação de dois volumes de crónicas da colecção Biblioteca Eduardo Prado Coelho, numa edição crítica de Margarida Lages.

Na série Ensaios da colecção Pessoana, o plano da INCM prevê a edição de dois estudos, um de Luiz Fagundes Duarte, dedicado aos trabalhos de fixação do texto da obra de Fernando PessoaDo Caos Redivivo. Ensaios de Crítica Textual sobre Fernando Pessoa, e outro sobre o heterónimo Ricardo Reis, de Nuno Amado, professor no Instituto Superior de Educação e Ciências.

LÊ TAMBÉM: RODRIGO GUEDES DE CARVALHO DESVENDA O ‘LABIRINTO’ DO JORNALISMO NA UNIVERSIDADE NOVA