Foi em 2004 que estreou Donas de Casa Desesperadas, o drama-comédia do canal ABC criado por Marc Cherry que rapidamente se tornou numa explosão a nível internacional, tendo ganho vários Emmys, Globos de Ouro e Screen Awards, ao longo dos seus 180 episódios distribuídos por oito temporadas.

Como o próprio nome indica, a série seguiu as aventuras de quatro donas de casa e da sua vizinhança, no bairro fictício Wisteria Lane, à medida que elas se envolviam em complicações amorosas e investigações por vezes mortais. O Espalha-Factos decidiu contar os cinco melhores episódios deste grupo disfuncional de mulheres.Desperate Housewives

Something’s Coming (temporada 4, episódio 9)

Wisteria Lane é provavelmente o bairro mais agitado e interessante dos Estados Unidos, com traições, divórcios e assassínios a cada esquina. No entanto, este episódio recorda aos residentes do bairro que, por vezes, há coisas maiores do que o ser humano.

Um furacão arrebatador passa pela zona, o que faz com que os protagonistas procurem abrigo em casa uns dos outros e acordem no dia seguinte para descobrir o seu bairro completamente destruído. Uma boa maneira de nos fazer perceber que, em certas situações, temos de saber procurar conforto em quem menos esperamos.Desperate Housewives

Come On Over For Dinner (temporada 7, episódio 23)

Após Susan (Teri Hatcher) ter passado toda esta temporada noutra casa devido a problemas financeiros, neste episódio ela está finalmente de volta ao bairro. Em modo de celebração, as amigas e vizinhas decidem organizar um “jantar progressivo” – cada parte da refeição é feita numa casa diferente.

Claro que nem tudo corre como planeado: o final do jantar vai por água abaixo com o aparecimento do padrasto abusivo de Gabi (Eva Longoria). Para proteger a esposa, Carlos (Ricardo Antonio Chavira) assassina o homem e as restantes donas de casa ajudam a esconder o homicídio – inclusive colocando o corpo dentro de uma arca enquanto os convidados do jantar terminam a sobremesa.Desperate Housewives

BANG (temporada 3, episódio 7)

É apenas mais um dia tranquilo na vizinhança, até que a lunática Carolyn Bigsby (Laurie Metcalfe) decide entrar num supermercado com uma arma e manter um grupo de vizinhos reféns, enquanto ameaça o seu marido, na suspeita de que ele a anda a trair.

Este episódio não só cruzou na perfeição as pequenas histórias de cada um dos reféns com a catástrofe maior – incluindo um momento de heroísmo por parte de Lynette (Felicity Huffman) – como nos fez perceber que a vida não é um dado adquirido e aqueles que nos são mais próximos, de um minuto para o outro, podem desaparecer.Desperate Housewives

Look Into Their Eyes and You See What They Know (temporada 5, episódio 19)

Este é provavelmente um dos episódios mais agridoces da série. Devido a problemas nos bastidores, a personagem de Nicolette Sheridan (Edie) foi eliminada e esta hora, narrada pela própria atriz, serviu para as restantes personagens se despediram de uma das presenças mais icónicas do bairro, relembrando os seus melhores momentos.

Edie era conhecida pela sua sinceridade bruta, personalidade extravagante e monólogos hilariantes. A sua saída foi um tiro no pé para a série mas, como se costuma dizer, há males que vêm por bem: a sua despedida foi triunfante e marcou um momento de união para o restante elenco.Desperate Housewives

Finishing The Hat (temporada 8, episódio 23)

Apesar de todos os seus altos e baixos, o final da série foi digno da sua magnitude e elaborado de forma brilhante, colocando um laço de ouro nas oito temporadas. Após Bree (Marcia Cross) ser acusada do homicídio do padrasto de Gabi, o caso atinge o seu desfecho em tribunal com uma reviravolta chocante.

Posto isto, somos prendados com alguns dos momentos mais bonitos da vida humana: um casamento — entre Ben (Charles Mesure) e Renee (Vanessa Williams) —, um nascimento — da neta de Susan — e uma morte — da idosa Karen (Kathryn Joosten, que morreu efetivamente um mês após ter gravado o episódio devido a cancro). Um final perfeito. Bravo!