A terceira edição do Festival Feminista do Porto começou no dia 2 e a programação prolonga-se ao longo de todo o mês. Com o lema Eu e tu, até sermos todas, as atividades vão desde palestras, tertúlias e oficinas até exposições, teatro, cinema e performances.

Luísa Barateiro, representante da organização, explica, em declarações ao Espalha-Factos, que “os principais objetivos do Festival são mudar mentalidades, visibilizar problemáticas feministas que ainda possuem pouca atenção mediática, proporcionar o debate entre ativistas e fortalecer o movimento, através do contacto entre associações, coletivos e diferentes organizações”.

Quanto à abordagem ao feminismo, Luísa Barateiro define que nesta edição há “uma perspetiva ainda mais ampla, interseccional, associando a desigualdade de género às outras formas de opressão, tais como a orientação sexual, raça, classe social, etc.”. Acrescenta ainda que, a nível ideológico, “o Festival define-se como uma organização feminista, anticapitalista, antirracista, interseccional, igualitária e aberta à diversidade”.

Diversidade na programação

Amanhã comemora-se o Dia Internacional da Mulher e a partir das 19 horas terá lugar uma marcha na Praça dos Poveiros. A organização desta atividade é feita em conjunto com a iniciativa Encontro de Mulheres 2018 – Todas as vozes contam, que vai promover debates nos dias 10 e 11 deste mês. A Escola Artística de Soares dos Reis vai ser o palco de discussões sobre mulheres e precariedade, mulheres e violência e mulheres invisibilizadas.

Na próxima sexta, dia 9, a ILGA promove na sua sede a oficina Como fazer alianças nas escolas: uma proposta feminista e LGBTI. De destacar ainda o ciclo de cinema que vai decorrer nos próximos dias 14, 21 e 28. São três os espaços a receber as sessões: a Faculdade de Direito da Universidade do Porto, a Gazua e o Maus Hábitos.

Luísa Barateiro destaca também a realização do debate Mulheres ciganas no século XXI, no dia 16 (17h) no Rés-da-Rua e a tertúlia De pequenino é que se torce a transfobia, no Centro Comercial Cedofeita, no dia 25 (15h). O mesmo espaço vai acolher várias exposições sobre mulheres até ao final do mês. No último dia do evento (31), a organização salienta a oficina de autodefesa feminista, dinamizada no Centro Holístico Yantra.

Podes consultar a programação completa aqui.

LÊ TAMBÉM: SETE POEMAS PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER