Onze anos depois, Portugal volta a ter espaço na agenda de Chico Buarque. O cantautor e músico brasileiro apresenta-se no Coliseu do Porto, nos dias 2 e 3 de junho e, em Lisboa, reserva o Coliseu dos Recreios para 6, 7 e 8.

A informação é da promotora Everything is New, responsável pelos concertos em torno do último disco de Buarque, Caravanas.

O artista não passa por salas portuguesas desde 2006. Nesse ano, realizou nove concertos nas cidades mencionadas e ainda em Espinho, dedicados ao registo Carioca.

Serão postos os bilhetes à venda amanhã (7), a partir das 10 da manhã. Os lugares nas galerias custam 25 euros, na plateia 95 euros e, nos camarotes, 360 euros.

O tributo a Wilson das Neves

Nas apresentações, Buarque vai homenagear Wilson das Neves, o seu prévio baterista, falecido em agosto de 2017. O momento em referência é a interpretação de Grande Hotel, composição feita por Buarque e o desaparecido baterista.

Em palco, a trupe do cantautor constitui-se por elementos habituais: o maestro, arranjador e violinista Luiz Claudio Ramos; João Rebouças no piano; Bia Paes Leme nos teclados e na voz; Chico Batera na percussão; Jorge Helder no contrabaixo e Marcelo Bernardes na flauta e nos sopros. A cargo da bateria, Jurim Moreira ocupa o lugar deixado por Wilson das Neves.

Buarque nas várias artes

Caravanas foi editado em 2017 pela Biscoito Fino, marcando o 38.º projeto discográfico de Buarque. Os nove temas que reúne contam com produção de Vinícius França e arranjos de Luiz Claudio Ramos. O seu catálogo foi recuperado por António Zambujo no disco Até Pensei Que Fosse Minha, em que Buarque participa. Ainda nesse ano, colaborou com a fadista Carminho em Falando de amor, extrato do disco Carminho canta Tom Jobim.

Em novembro de 2014, publicou o seu quinto romance O Irmão Alemão. No âmbito do seu 70.º aniversário, organizou-se o musical Todos os musicais de Chico Buarque em 90 minutos, centrado nas canções compostas por Buarque para musicais. O espetáculo passou pelo Campo Pequeno em março de 2016.