Estamos em contagem decrescente para o final de The Assassination of Gianni Versace, a segunda temporada de American Crime Story, e cada episódio parece surpreender relativamente ao anterior. Descent estreou no canal FX no dia 28 de fevereiro. Em Portugal, a série é exibida na FOX.

Em 1996, Andrew Cunanan (Darren Criss) parece levar uma vida pacífica, muito antes da sua onda de assassinatos. Vive numa mansão com o milionário Norman Blachford (Michael Nouri), com o qual mantém uma relação arranjada: o primeiro presta serviços de designer – e outros que se mantêm dúbios – e o segundo ajuda-o financeiramente.

É o 26.º aniversário de Andrew e a festa é opulenta: imenso champanhe, música agradável, caras bonitas. Um dos convidados é Jeff (Finn Wittrock), nesta altura ainda amigo de Cunanan, e o outro David (Cody Fern), por quem Cunanan está perdidamente apaixonado e tenta impressionar durante toda a ocasião.American Crime Story

Infelizmente, David não se deixa encantar. Ele explica que, como Andrew nunca conseguiu ser próximo de ninguém, o mínimo afecto parece-lhe algo transcendente. No meio da frustração, o psicopata acaba também por enviar um postal a Jeff, denunciando a sua sexualidade aos pais. David e Jeff, que eram duas das pessoas mais próximas de Andrew, acaba por se aproximar um do outro e criar ressentimento relativamente ao terceiro.

Nem podíamos esperar o contrário. Andrew vive à base de mentiras, levando uma vida fabricada e criando ilusões diferentes para cada pessoa que conhece. É difícil perceber porque é que ele não deixa que o seu verdadeiro eu venha ao de cima, escolhendo arruinar tudo o que o rodeia graças a um carisma completamente fabricado.American Crime Story

Após exigir tratamentos mais elevados por parte de Norman, este acaba por expulsar Andrew de casa, o que o coloca numa espiral de drogas e depressão. Contudo, os seus instintos mais básicos levam-no de volta ao sítio mais óbvio: a casa, para os braços da sua mãe.

Este fecho do episódio ajuda também a explicar o porquê de Andrew ser assim. Pelos vistos, a própria mãe vive numa ilusão, achando que o filho leva uma vida de luxo e é um designer de sucesso, não aceitando sequer ouvir outras versões. Como se costuma dizer: aquilo que nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

NOTA: 8/10