A Netflix vai estrear 700 filmes e séries originais em 2018. No total, a empresa vai investir oito mil milhões de dólares americanos (6.48 mil milhões de euros) na produção de conteúdos.

O anúncio foi avançado pelo CFO da empresa, David Wells, numa conferência em São Francisco. Wells esclareceu que a Netflix irá continuar a estratégia de adicionar conteúdos, pois esta está a gerar crescimento.

Contudo, o CFO reforçou que, apesar da aposta da empresa em conteúdos originais, “as pessoas não se importam com as origens das histórias”. Para o empresário, o objetivo é ter os melhores conteúdos, mas “não temos de ser necessariamente nós a produzi-los”.

Entre as sete centenas de projetos estão novos conteúdos como continuações de séries já existentes. Narcos e Orange is the New Black são duas das séries originais que já foram renovadas.

A empresa vai ainda reforçar o investimento em produções internacionais. Estão anunciados 80 filmes ou séries com produção fora dos EUA. O thriller psicológico alemão Dark e a comédia dramática mexicana Club de Cuervos foram ambas renovadas.

Para além do avultado investimento na produção, a Netflix vai também investir mais na promoção da plataforma. Wells anunciou que a empresa vai investir mais 50% do que no ano passado em marketing. No total, o investimento ronda os dois mil milhões de dólares americanos (1.62 mil milhões de euros).

Contratos exclusivos

Uma nova estratégia da Netflix tem sido a assinatura de contratos de exclusividade.

Recentemente, a companhia assinou um contrato de exclusividade de cinco anos com o produtor Ryan Murphy. O contrato começa a 1 de julho, quando o vínculo do produtor com a 20th Century Fox termina. Murphy está ligado a projetos como American Horror Story, American Crime Story, Glee e mais recentemente 9-1-1.

Murphy não é o primeiro nome sonante da indústria a juntar-se à Netflix. Em agosto de 2017, Shonda Rhimes assinou também um contrato com a empresa, acabando o acordo de 15 anos com a ABC Studios.  A guionista e produtora televisiva é responsável por séries como How to Get Away With MurderScandal e Grey’s Anatomy. Apesar do susto inicial para os fãs, que temeram pelo futuro das séries, o contrato não é exclusivo. Assim, as três séries continuaram a ser emitidas pela ABC nos Estados Unidos, enquanto Rhimes inicia novos projetos sobre a alçada da Netflix.

Ainda assim, Wells enfatizou que este tipo de contratos são “algo raros” para a empresa. Durante a conferência em São Francisco afirmou: “não vamos fazer 10 destes [contratos], não vamos fazer 20”.

Estes dois contratos agitaram a indústria da produção cinematográfica e televisiva. A transição de nomes aclamados para a Netflix é um sintoma das mudanças que ameaçam o paradigma convencional de consumo de conteúdos.

Um negócio em expansão

A Netflix foi criada em 1997 como um serviço de entrega de DVDs por correio. Em 2007, a companhia converteu-se numa plataforma de streaming nos Estados Unidos e a partir de 2010 iniciou a sua expansão a outros países.

Países onde Netflix está disponível

Atualmente, a plataforma está disponível em mais de 190 países. No final de 2017, contava com mais de 117 milhões de subscritores em todo o mundo. A maioria (54.75 milhões) nos EUA.

Em Portugal, a Netflix está disponível desde outubro de 2015. Em 2017, a plataforma reviu pela primeira vez os tarifários, aumentando os preços.