Até ao dia 4 de março continua em cena na Sala Estúdio do Teatro da Trindade a peça O Abraço.

O espetáculo põe a nu as relações familiares entre uma mãe e as suas duas filhas, num texto do encenador Claudio Hochman baseado nos testemunhos reais das três atrizes que encontramos em palco.

Em cena estão três mulheres, três atrizes num espetáculo em que se esbate a fronteira entre a realidade e o teatro, já que Esmeralda Pereira é, na verdade, mãe de Ana Isabel Sousa e Maria Carolina Sousa.

A peça é a primeira parte da trilogia Os Sentimentos, baseada numa ideia próxima do teatro documental, e resulta de uma longa relação entre o encenador (que é também autor do texto) e as atrizes.

Esmeralda: Tínhamos combinado que não falaríamos de nós.
Maria: É verdade. Combinámos que eu faria de Ana, a Ana da mãe e a mãe de mim.
Ana: Mas isso era uma grande confusão, é melhor que cada uma de nós faça de si mesma.

O abraço, que dá título ao espetáculo, pode ser metáfora para vários aspetos da ligação materna à prole, e é um dos elementos fundamentais da peça.

A peça funciona como uma espécie de “espelho”, já que o público cujo olhar assiste à exposição das relações familiares das personagens/actrizes acaba, inevitavelmente, por ser obrigado a olhar para dentro e a refletir sobre as suas próprias relações, as suas fragilidades e as suas forças.

A peça está em cena de quarta a sábado às 21h45 e no domingo às 17h00 e os bilhetes estão disponíveis online.

LÊ TAMBÉM: PERIFERIAS: FESTIVAL DE ARTES PERFORMATIVAS DE REGRESSO A SINTRA