Diogo Piçarra foi acusado esta segunda-feira (26) de ter plagiado uma música da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) na composição do tema com que concorreu à segunda semifinal do Festival da Canção. Foi peremptório ao negar as acusações.

Numa publicação que fez nas redes sociais, o artista defende-se das acusações dizendo que “só quem não cria arte é que nunca estará nesta posição“. O finalista mostra-se ainda insatisfeito, ao considerar que “a Internet é o verdadeiro juíz dos tempos modernos“.

Lê também: A Mesma Canção? Internetautas acusam Paulo Praça de plágio

Em comunicado, o artista afirma que a semelhança entre uma “música evangélica de 1979” e uma criação sua “é algo espantoso e no mínimo irónico“. Assumidamente não ser crente ou religioso, Diogo garante: “desconhecia por completo o tema e continuarei a defender a minha música por acreditar que foi criada sem segundas intenções“.

De acordo com alguns internautas, que se expressaram através das redes sociais, o tema Canção do Fim apresenta semelhanças com Abre os Meus Olhos, canção da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) presente no Volume II do álbum “Cânticos do Reino”.

Através do Twitter, as comparações entre os dois temas ganharam relevo após o anúncio das canções finalistas.

Diogo Piçarra clarifica ainda que “as melodias na música não são ilimitadas” e que “nunca participaria num concurso nacional com a consciência de que estava a plagiar uma música da Igreja Universal. Teria agarrado na guitarra e feito outra coisa qualquer.

Apesar da polémica, o cantor algarvio alcançou o primeiro lugar na semifinal com 24 pontos, obtendo a pontuação máxima, tanto na votação do público como do júri de sala. Deste modo, Diogo Piçarra estará presente na Grande Final do Festival da Canção 2018, que terá lugar no Pavilhão Multiusos de Guimarães, dia 4 de março.

Até ao momento, a RTP não emitiu qualquer esclarecimento ou comunicado acerca de nenhuma das duas músicas que, durante esta edição, foram apontadas como sendo plágios. São 14 as composições que lutam pela oportunidade de representar Portugal na primeira edição do Festival Eurovisão da Canção em solo nacional.