Um café cheio de solidariedade é o nome da nova campanha de angariação de alimentos do Banco Alimentar Contra a Fome. Até 9 de março é possível entregar donativos em mais de 1200 restaurantes e cafés do continente e da Madeira.

“É com grande satisfação que damos início a esta campanha, agora em moldes um pouco diferentes do habitual. Vamos ter pontos de recolha literalmente ao ‘virar de cada esquina’, numa lógica de proximidade, nos cafés e restaurantes que as pessoas habitualmente frequentam no seu dia-a-dia”, afirma Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome.

Parceria com a Nestlé

Este é um projeto-piloto da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares, que conta com o apoio da Nestlé para aproximar a iniciativa dos portugueses. A conhecida marca vai colaborar a nível logístico através da rede do Canal Horeca, que envolve fornecedores de produtos e prestadores de serviços nos setores da hotelaria e restauração.

Os estabelecimentos aderentes vão estar identificados e vão receber e guardar os alimentos oferecidos pelos clientes. A recolha dos donativos e a entrega nos Bancos Alimentares fica a cargo da Nestlé, cujos colaboradores vão participar na triagem dos bens angariados na sede do Banco Alimentar, em Alcântara, no dia 16 de março.

“Podermos acrescentar valor à missão do Banco Alimentar é uma motivação extra para trabalharmos ainda com mais foco. As equipas estão envolvidas e queremos alcançar um excelente resultado”, garante Victor Manuel Martins, Business Executive Officer da Nestlé Portugal.

Produtos não perecíveis

Os alimentos que vão ser oferecidos são os habitualmente solicitados nas campanhas do Banco Alimentar, ou seja, produtos não perecíveis como enlatados, arroz, massa, leite ou azeite. A missão mantém-se mas esta é uma forma de “alargar o âmbito” e contar com o “apoio solidário” dos portugueses, explica Isabel Jonet. “Esta campanha dá verdadeiro sentido à expressão ‘a união faz a força’, se todos ajudarmos um pouco, conseguimos alcançar grandes resultados e apoiar quem mais precisa”, sintetiza.