musicais
Foto: site oficial Moulin Rouge

Os musicais mais românticos para te inspirares no São Valentim

Toda a gente sabe que os musicais são coisas happy and cheesy, e essa é uma das principais razões pelas quais tanta gente não gosta de musicais, ou acha que não gosta. Isso e “aquela coisa irrealista de desatar a cantar em todos os momentos”, que pode tornar-se aborrecida. Por outro lado, muitas pessoas têm músicas especiais que marcam as suas relações, aquelas que ouvem nos aniversários de namoro e aquelas a que voltam quando as coisas não correm tão bem.

Espantem-se quando vos dissermos que os musicais refletem a vida real e utilizam a música para tornar a coisa mais bonita e emocionante. E não, não são sempre finais felizes. Lembram-se de La La Land, que arrebatou paixões e semeou ódios um pouco por todo o mundo em 2017?

Mia e Sebastian não ficam juntos, e quem procura nos musicais a felicidade eterna teve que lidar com a sensação ingrata de sair do cinema com o coração em pedaços. Mas há mais, muito mais. Na tela e nos palcos, os musicais exploram as relações humanas através da música, com laivos de romantismo e sonho a fazer lembrar os contos de princesas da Disney. Ensinam-nos sobre o amor, os desencontros, a felicidade e a perda, em suma, mostram-nos a vida sob as suas várias formas e ainda nos oferecem a banda sonora.

Por isso, quisemos celebrar este Dia dos Namorados com algumas sugestões dos musicais mais românticos de todos os tempos e de musicais que falam sobre relações, mesmo que não sejam assim tão românticos.

La La Land

Mia quer ser actriz e trabalha num café em Hollywood. Sebastian quer ser músico de jazz, mas tem que se sujeitar a vários trabalhos e tocar outros tipos de de música enquanto procura atingir o seu sonho. Mia e Sebastian conhecem-se, apaixonam-se, cantam e dançam, vão viver juntos mas as ambições e sonhos acabam por separá-los. Não há final feliz, mas nós desculpamos porque as músicas compensam.

Moulin Rouge

Apareceu primeiro nos ecrãs, em 2001, e está finalmente a chegar à Broadway. No final do século XIX, em Paris, o jovem poeta Christian perde-se de amores por Satine, uma cortesã que encontra no famoso Moulin Rouge. A história é cantada através de músicas já conhecidas, que nos transportam para o universo da revolução boémia na cidade das luzes e nos mostram o amor impossível de Satine e Christian. Também aqui, não há final feliz mas, pelo menos, temos o consolo de saber que o amor daqueles dois é para sempre.

Once

Once é um filme independente que deu em musical de palco. Once conta uma história simples e despretensiosa. Na Irlanda, rapaz irlandês conhece rapariga checa, partilham o amor pela música e fazem música juntos, depois é-nos dado a entender que partilham também amor um pelo outro, mas a vida complica-se pelo meio e no final ficamos apenas com a música. E a música valeu um Oscar a Glen Hansard e Markéta Irglová, que são compositores, intérpretes e protagonistas no filme.

The last five years

Este musical off-broadway de Jason Robert Brown varia entre a comédia e o drama e é tão somente sobre relações que praticamente só tem duas personagens. Cathie e Jamie são namorados, ela uma aspirante a actriz e ele escritor-wannabe (onde é que nós já vimos isto…?). Vemos a evolução do casal ao longo de cinco anos, e a degradação de uma relação que parecia ideal mas que termina em separação, com músicas que fazem jus à tristeza da situação.

Love Never Dies

É a sequela do icónico musical O Fantasma da Ópera e (alerta spoiler!) acaba em tragédia. Pelo meio, as pessoas que torciam para que Christine ficasse com o Fantasma ficarão agradavelmente surpreendidas pelo rumo que a história tomou. As que torciam por Christine e Raoul, por seu turno, poderão ficar um pouco desiludidas. Mas nada que a música não ajude a curar.

LÊ TAMBÉM: ALERTA NAMORADOS: PRESENTES DE ÚLTIMA HORA PARA O DIA DE S. VALENTIM

Dirty Dancing

Quem não se lembra da dança de Patrick Swayze e Jennifer Grey na verão cinematográfica de 1987 ao som the (I’ve had) the time of my life? Passaram trinta anos mas este continua a ser um dos casais mais apaixonantes de sempre e por isso uma versão musical foi estreada em 2004, e tem percorrido o mundo a mostrar o amor de Baby e Johnny através da dança.

Next to Normal

Este é um musical rock moderno sobre os desafios de quem vive com perturbações psiquiátricas, que poderemos ver na versão portuguesa já em maio. Ganhou vários prémios e é aclamado por se debruçar sobre um tema tabu e absolutamente incomum no contexto dos musicais, mas mostra também um amor que é maior do que a doença, quase maior do que a própria vida. E que, ainda assim, nem sempre é suficiente.

Tomorrow Morning

Um musical off-broadway que conta a história de dois casais em fases diferentes da vida. John e Kat estão prestes a casar, Jack e Catherine estão prestes a divorciar-se. Estes dois casais são, na realidade, apenas um, duas pessoas que enfrentam adversidades ao longo dos anos em que estão juntos, e que acabam por compreender até que ponto o amor pode vencer.

Ghost

O espetáculo chegou aos palcos em 2011, inspirado no filme de 1990 com o mesmo nome, em que Patrick Swayze fazia par romântico com Demi Moore. Conta a história do amor de Sam e Molly, um amor transcendente, uma ligação que nem a morte de Sam consegue quebrar.

LÊ TAMBÉM: QUORUM BALLET APRESENTA SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA MADE IN CHINA

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
coronavirus, hungria, parlamento hungaro, hungary, fidesz, viktor orbán
“Democracia em quarentena”. Governo da Hungria com plenos poderes durante surto de Covid-19