A série documental 2077 é a primeira grande aposta da RTP com olho no mercado televisivo estrangeiro. Agora, a ambição internacional está prestes a tornar-se realidade. O Espalha-Factos falou com a RTP para saber mais sobre a internacionalização do projeto.

Foi em setembro do ano passado que a RTP deu a conhecer 2077: 10 segundos para o futuro, aquando da apresentação da sua nova grelha. Daniel Deusdado, diretor de programas do primeiro canal, referiu-se à nova aposta como uma “mini-série de quatro episódios que pergunta a vários cientistas como será o futuro“.

O documentário foi, desde a sua fase inicial, promovido com o intuito de internacionalização, juntando-se aos novos conteúdos da estação pública que chegam com esse objetivo. Este é fruto de uma aposta da estação pública na criação de conteúdos inovadores como eixos importantes da sua programação, focando-se na produção de ficção nacional, documentários e programas de entretenimento.

Daniel Deusdado, diretor de programas da RTP1

O caminho que apostámos seguir nas séries é direcionado agora para os documentários, sempre na aposta da diversidade,” referiu Nuno Artur Silva, o agora ex-administrador de conteúdos da RTP, durante a apresentação da grelha do canal. A proposta da série é, por isso, objetiva: a produção pretende “procurar pelo futuro“, projetando-se 60 anos para tentar perceber como vai ser a vida em 2077.

Ao longo de quatro episódios – MutaçãoEstranhamento GlobalNovos Nómadas e Uma Sede Insaciável –, o espectador é levado numa jornada entre o presente, o passado e o futuro para perceber quais serão as consequências dos nossos atos de hoje, desvendando que tipo de Humanidade seremos e quais as tecnologias que vão acompanhar o nosso dia-a-dia e de que forma estas vão responder às nossas preocupações.

Distinguindo-se pela pós-produção inovadora, a série apresenta, também, uma linha de convidados com destaque mundial. Composta por grandes futuristas e cientistas nacionais e internacionais, bem como outras personalidades de referência, estes dão a sua voz sobre as inovações e desafios que a Humanidade irá enfrentar nas próximas décadas.

2077

Michio Kaku é um dos convidados de 2077 (Foto: RTP)

Entre os entrevistados, encontram-se o físico teórico Michio KakuAntónio Damásio, diretor do Brain and Creativity InstituteAntónio Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, entre vários outros. Às entrevistas reais, juntam-se testemunhos fictícios, passados no ano de 2077, interpretados por atores e que exemplificam as inovações referidas pelos convidados.

Os quatro episódios de 2077 foram emitidos na RTP1 entre 2 e 30 de janeiro. Projeto desenvolvido pela RTP no âmbito das comemorações dos seus 60 anos, foi produzido pela Panavideo, com autoria de Anabela Almeida e realização de António José de Almeida, contando com a coordenação de projeto por parte da RTP de Marta Loja Neves, produtora no canal. Cerca de meio milhão de espetadores assistiu a cada um dos capítulos.

Lê também: RTP procura voluntários para a Eurovisão 2018

O mundo quer (mesmo) ver 2077

A ambição da RTP de internacionalizar 2077: 10 segundos para o futuro já é conhecida desde a sua apresentação. A série documental já teria despertado o interesse de distribuidoras estrangeiras ainda antes da sua estreia, juntando-se na grelha do canal a outras produções nacionais e até internacionais da National Geographic ou da BBC.

Agora, a tentativa de entrada do canal público no mercado televisivo lá de fora está prestes a concretizar-se. Em declarações ao Público, representantes da RTP dizem que “Este produto registou o maior interesse junto do mercados internacionais. Neste momento estão a decorrer várias negociações” com potenciais compradores estrangeiros.

Em outubro passado, o trailer de 2077 foi apresentado num festival em Cannes e, desde aí, mais que uma produtora mostrou interesse em lançar o documentário em todo o mundo. A informação surge confirmada pelas palavras de Nuno Artur Silva, ex-administrador de conteúdos da RTP, através de uma publicação nas redes sociais.

Na nossa actividade, por circunstâncias e condicionalismos vários, não são muitos os projectos em que a concretização final é melhor do que tínhamos imaginado que eles viessem a ser. Este é claramente um desses casos,” acrescenta Silva sobre a recetividade de 2077.

O administrador cessante do canal público para a área dos conteúdos confirma as notícias da compra dos quatro episódios. “[O documentário] já tem garantida a distribuição internacional, desde que foi apresentado o trailer em outubro em Cannes.”

Lê também: Nuno Artur Silva queria criar a RTP4

“Estão neste momento a decorrer várias negociações”

Marta Loja Neves, produtora executiva na RTP e coordenadora de conteúdos do documentário, falou ao Espalha-Factos sobre o seu envolvimento no projeto. “Eu coordenei a produção dos documentários a nível dos conteúdos por parte da RTP. Desenhei o projeto inicial e fiz a primeira listagem de entrevistados nacionais e internacionais. Obviamente que em dois anos de trabalho intenso [o projeto] evoluiu.”

Sobre as notícias da venda da produção para o exterior, Marta acrescentou: “Sei que existem distribuidoras interessadas, ou que já terão até adquirido. Sei que houve uma altura, em setembro ou outubro, em que eram várias as produtoras na corrida.”

A confirmação surge na voz de Ana Gaivotas, responsável pela área de Comunicação da RTP. Em declarações ao Espalha-Factos, Gaivotas diz que “esta série documental registou o maior interesse junto dos mercados internacionais. Estão neste momento a decorrer várias negociações.”

2077

A equipa de 2077 na apresentação da série documental, que decorreu em dezembro passado

Apesar de ainda não ser público o destino internacional de 2077, o anúncio deverá estar para breve. “Oportunamente a RTP comunicará as vendas concretizadas,” finaliza a responsável pela Comunicação do canal público.

A venda do documentário está a ser negociada desde o ano passado através de Vera Taquenho, business developer na RTP. Os contactos surgiram após a apresentação da série documental no evento anual do MIPTV (Marché International des Programmes de Télévision), em Cannes, mercado de conteúdos televisivos para co-produção, financiamento, compra e venda de formatos de entretenimento.

MIPTV permite aos envolvidos no setor da televisão, cinema, conteúdo digital e audiovisual, produção e distribuição negociar direitos de conteúdo comercial a nível global, juntando mais de 10.500 líderes da indústria do entretenimento.

Lê também: ‘Subsolo’: Nova websérie estreia na RTP Play

2077: 10 segundos para o futuro encontra-se disponível no RTP Play para ver e rever – e refletir. Em breve (talvez daqui a dez segundos, no futuro) estará também disponível para o resto do globo.