Quincy Jones / Produtor de Michael Jackson

‘Michael Jackson roubou muitas canções’, acusa Quincy Jones

Quincy Jones, produtor por detrás de vários sucessos de Michael Jackson, acusa o rei da pop de ter roubado muitas canções.

Numa longa entrevista ao site Vulture, em que anuncia que tudo o que sempre fez “foi dizer a verdade“, distribui farpas um pouco por toda a indústria musical, com especial atenção ao cantor falecido em 2011.

Não gosto de falar sobre isto publicamente, mas o Michael roubou uma data de coisas. Roubou uma série de canções“, assegura. E logo de seguida pede para que comparem a canção State of Independence, de Donna Summer, com Billie Jean. “As notas não enganam. Ele era tão maquiavélico quanto é possível ser“.

Ele era ganancioso. Em “Don’t Stop ’Til You Get Enough”, o Greg Phillinganes escreveu a secção c. O Michael devia ter lhe dado 10% das receitas. Não o fez“, revelou o mega-produtor e vencedor de 28 Grammys.

As considerações sobre Michael Jackson estendem-se também ao campo pessoal. “Eu costumava chateá-lo por causa das cirurgias plásticas. Ele justificava-se sempre e dizia que era por causa de uma doença. Tretas.“, afirma o músico.

Quincy Jones / Produtor de Michael Jackson

Beatles: “Achei que eram os piores músicos do mundo

Quando questionado sobre a primeira impressão que teve dos Beatles, Quincy Jones manteve a sinceridade: “Achei que eles eram os piores músicos do mundo. Eles não sabiam tocar nada. O Paul [McCartney] era o pior baixista que eu alguma vez ouvi. E o Ringo? Nem vou falar disso.

Noutras observações, o produtor critica a música pop de hoje, que acusa de não ser inovadora: “São só loops, batidas, rimas e ganchos. O que é que há para retirar daí? Já não há uma merda de uma canção.”. Por oposição, quando é inquirido sobre a sua “maior inovação na música“, Jones poupa na modéstia e atira: “Tudo o que fiz.“.

Tudo o que fiz foram coisas que posso estar orgulhoso – absolutamente. Foi um espantoso contraste de géneros. Desde muito novo, eu toquei todos os tipos de música: música de bar mitzvahs, marchas de Sousa, música de clubes de strip, jazz, pop. Tudo. Não tive que aprender nada para fazer Michael Jackson“, explica.

Hoje a música é pior “devido à mentalidade de quem a faz“. Quincy Jones aponta o dedo aos produtores, “que estão a ignorar todos os princípios musicais das gerações anteriores“.

Não é assim que as coisas funcionam: É suposto aproveitares tudo do passado. Se souberes de onde vens, é mais fácil entenderes para onde vais. Precisas de entender a música para tocar as pessoas e te tornares a banda sonora da vida delas“, defende o compositor.

Gilberto Gil e Caetano Veloso: Os reis

No entanto, também há elogios a atribuir, a começar por “Bruno Mars. Chance the Rapper. Kendrick Lamar“. “Eu gosto do sítio onde está a mente do Kendrick. Ele tem os pés assentes no chão. O Chance também. E o disco do Ed Sheeran é incrível. O Sam Smith. Ele é tão aberto sobre a homossexualidade dele. Adoro isso. O Mark Ronson sabe como produzir.”

E refere a música brasileira como um exemplo: “Gilberto Gil e Caetano Veloso são os reis. Eu visito as favelas todos os anos. Aqueles gajos têm uma vida difícil, mas são duros. Pensas que as coisas estão mal na América? Lá é pior.“.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Eurovisão
Eurovisão. 41 países confirmados na edição de 2021