The Assassination of Gianni Versace é o título da segunda temporada de American Crime Story, a qual, tal como o nome indica, explora o homicídio do famoso Versace e o que isso implicou para o seu império e para a polícia americana. O primeiro episódio, intitulado The Man Who Would Be Vogue, estreou no canal FX no dia 17 de janeiro.

O episódio é relativamente simples e vai direto em assunto. Em 1997, na Flórida, um psicopata de nome Andrew Cunanan (interpretado pelo fantástico Darren Criss) assassina Gianni Versace (Édgar Ramírez) a tiro à porta da sua mansão, gerando imediatamente uma onda de atenção por parte da polícia e da imprensa.

Regressamos a 1990, onde assistimos ao primeiro encontro entre Cunanan e Versace numa das mais badaladas discotecas LGBT da época, na Califórnia. Relutante ao início, Versace acaba por cair nos encantos do jovem e chega até a convidá-lo para uma ópera, na qual a protagonista veste uma das suas admiráveis peças.

Fora da fama e das luzes da ribalta, Cunanan é claramente um vigarista: conta versões erradas das histórias aos seus amigos e revela a sua sexualidade apenas a quem realmente lhe interessa. O seu interesse por Versace, contudo, fica ainda por desvendar, bem como a sua motivação para matar um dos mais famosos designers de moda das últimas décadas.

De volta ao ano da tragédia, o primeiro interrogado é Antonio D’Amico (protagonizado de forma surpreendente por Ricky Martin), o parceiro de Versace. O momento alto, contudo, surge com a entrada de Penélope Cruz no papel de Donatella, a qual parece não ter tempo para fazer o luto ao seu irmão, visto que o futuro do negócio está em risco.

A polícia relaciona a morte de Versace a outros homicídios cometidos por Cunanan e imediatamente o declara como suspeito de alto risco, iniciando aquela que se veio a tornar das caças mais falhadas cometidas pela América. Enquanto isso, a comoção nas ruas é gritante: pessoas a tirar fotos, outras a desesperar por uns segundos frente às câmaras, outras até a chorar pelo ídolo falecido.

American Crime Story

À medida que Donatella se recusa a colocar o seu império na bolsa americana e decide manter Versace um negócio de família, Cunanan é visto a comprar vários jornais que relatam a morte do desginer, em jeito de celebração da sua mais recente conquista.

A tragédia não tem muito que desvendar, visto que os fatos são conhecidos: Cunanan ficou famoso por assassinar quatro homens (a maioria LGBT), entre eles Versace, tendo cometido suicídio antes que a polícia o conseguisse apanhar. A série, por outro lado, pretende mergulhar nos aspetos mais íntimos desta investigação.

Com um elenco poderoso e um cenário extraordinário (filmado na verdadeira mansão Versace), levantam-se as questões: o que levou Cunanan a tornar-se em tamanho monstro? Qual o seu interesse no estilista? Como se enquadra o panorama LGBT nesta corrida contra o tempo? Uma boa estreia para uma temporada que promete muito.

NOTA: 8/10