Avenida Q
Foto: Filipe Ferreira / Força de Produção

‘Avenida Q’: o espetáculo onde bonecos ensinam gente crescida

Avenida Q esgotou o Teatro da Trindade e o Casino Lisboa durante meses e rumou ao norte do país no dia 11 de janeiro. No último domingo, o Espalha-Factos assistiu à peça, no Teatro Sá da Bandeira, no Porto.

Comparado à Rua Sésamo ou aos Marretas, Avenida Q é a combinação perfeita entre bonecos e humanos, realidade e ficção. Mas se estavas à espera de uma comédia para crianças, desengana-te. Avenida Q é uma sátira social, que trata assuntos tão diferentes como o desemprego, a precariedade, o sexo, a pornografia, o racismo e a xenofobia.

No espetáculo encenado por Rui Melo, sobem ao palco Ana Cloe, Samuel Alves, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Rui Maria Pêgo, Inês Aires Pereira, Rodrigo Saraiva e Manuel Moreira.

Com um elenco tão jovem, não seria de admirar que a plateia fosse constituída de igual forma. No entanto, Avenida Q consegue aquilo que, muitas vezes, é difícil com a maioria das peças: juntar adolescentes e jovens adultos no teatro. E o Sá da Bandeira não poderia estar mais irrequieto e entusiasmado.

LÊ TAMBÉM: AVENIDA Q: MUSICAL EM CENA ATÉ NOVEMBRO NO CASINO LISBOA

“Que m**** que eu sou”

Os prédios 5, 7 e 9 da Avenida Q saltam à vista dos mais curiosos. Nas fachadas, a tinta está gasta, faltam alguns azulejos e há meias penduradas no estendal.

No início do espetáculo, os atores apresentam-se, mas de uma forma a que não é habitual assistir. Tudo é dito numa canção, também essa diferente. Tem graça a triplicar. O desafio é descobrir quem está pior na vida ou, por palavras mais acertadas, quem está mais “na m****”.

Começamos por Tozé, marido de Maria, desempregado e que sonha um dia tornar-se comediante. Passamos para a Marta Monstro, “bem gira e inteligente”, mas sem namorado. Para desempatar, chegam Joca e Félix, mas a resposta foi fácil – “nós”. Os dois amigos moram juntos e, por vezes, isso é equivalente a um inferno. Contudo, “ninguém baza, porque só há guito para uma casa”.

Maria é a próxima e, como seria de esperar, acha que a sua vida é a mais complicada. É muçulmana, turca e desde pequena que atura preconceitos raciais. Estudou para ser psicóloga, mas não tem nenhum cliente “com medo que o rebente” e está apaixonada por um desgraçado.

O último a chegar é o Pequeno Saul. Este já foi rico, mas foi roubado pelos pais. Agora é porteiro e não precisa de dizer mais nada. Todas as personagens pensam pelo mesmo: “na m**** estás tu”.

O público ri e acena com a cabeça. Afinal, todos enfrentamos problemas e viver neste mundo não é nada fácil. Inevitavelmente, a plateia canta também “na m**** estamos juntos”.

“Isto é para já, para já felicidade”

A história arranca com a chegada de Luís, um jovem recém-licenciado e sem emprego, que procura casa na Avenida Q. Quando conhece os vizinhos, sabe que é ali que quer passar a morar. Na primeira conversa com Tozé e Maria, conhece Marta Monstro. E é uma espécie de amor à primeira vista.

Inês Aires Pereira dá vida a Paula Porca, uma personagem que gosta muito de homens, e Manuel Moreira dá voz a Trekkie, um monstro viciado em pornografia.

Uma banda ao vivo acompanha os atores e Avenida Q é passada assim mesmo, a cantar. Os protagonistas correm, dançam e cantam, sempre com o mesmo sorriso na cara. Manipular um boneco e cantar ao mesmo tempo não é nada fácil. Muito menos fazê-lo durante quase duas horas.

Avenida Q retrata vários problemas do quotidiano com leveza e humor: como é difícil a transição para idade adulta, como os sonhos de criança ficam por cumprir, como é triste não encontrar uma alma-gémea e como todos somos um bocadinho racistas e xenófobos. O público identifica-se, ao mesmo tempo que reflete sobre cada tema.

Na verdade, somos todos um bocadinho racistas: “não vale a pena fingir, só nos resta assumir”. E “se fores afinal homossexual, isso é normal”. Quanto à Internet, sabemos que a pornografia está em todo o lado e que ninguém precisa de uma amiga, “basta um giga”. O objetivo da peça é simples: descomplicar.

A vida deve ser vivida assim. Um dia de cada vez. Porque, “tudo nesta vida é só para já”. Em Avenida Q, multiplicam-se os sonhos e, com amigos por perto, concretizam-se alguns deles. Uma mensagem positiva fica gravada – “Tens o mundo à tua espera”.

Fica à vontade para assistir de novo

Dar vida a bonecos inanimados exige muita atenção e coordenação, mas os atores parecem fazer isto há anos. É notória a entrega e dedicação de todo o elenco e o espetáculo é um reflexo disso mesmo.

O público aplaude de pé e não poderia ser mais merecido. Muitos fãs ficam com vontade de voltar ao início, de rir e de cantar de novo. Outros planeiam quem vão convidar para os acompanhar em mais uma ‘rodada’.

Mesmo quem não é fã de musicais, deve dar uma oportunidade a Avenida Q. A comédia está em cena no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, até ao dia 25 de fevereiro. E quem sabe não volte depois para mais uma temporada na capital.

LÊ TAMBÉM: 86.º ANIVERSÁRIO DO RIVOLI COM 16 HORAS DE PROGRAMAÇÃO

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Sociedade precisa ser mais feminista para eliminar violência contra as mulheres