Parece que foi ontem, mas já passaram dez anos para estes álbuns. Dez anos desde que a Katy Perry lançou a icónica I Kissed a Girl. Dez anos desde a primeira temporada de Breaking Bad. Dez anos desde a eleição do primeiro presidente afro-americano. Dez anos desde a explosão da bolha imobiliária dos EUA que conduziu à maior crise financeira mundial desde os anos 30.

Em 2018, as coisas estão muito diferentes. Já não andamos com os tamagotchi, Donald Trump é o novo residente da Casa Branca, a Hannah Montana passou a ser só a Miley, as séries passaram da televisão para o computador e a música deixou de ser o que era. Ainda assim, é sempre bom recordar o que se fazia no passado. Por isso, o Espalha-Factos decidiu destacar dez álbuns que foram a banda sonora de 2008, que marcaram os fins da primeira década do terceiro milénio e completam agora dez anos de existência.

The Fame, Lady Gaga

Sim, o álbum de estreia da Lady Gaga já faz dez anos! O pequeno tesourinho que tomou de assalto as rádios em 2008, pôs a cantora norte-americana debaixo dos holofotes da pop. Em The Fame, podemos ouvir êxitos como Just Dance, Paparazzi ou Poker Face. O álbum valeu a Lady Gaga cinco nomeações para os Grammy Awards, incluindo Álbum do Ano.  Este ano, o seu mais recente álbum Joanne (2016) volta a estar nomeado para várias categorias.

I AM… SASHA FIERCE, Beyoncé

O terceiro disco da Queen B saiu em novembro de 2008, mas os singles If I Were A Boy e Single Ladies (Put A Ring On It) já inflamavam as rádios, os mp3 e os intervalos das aulas. Ao longo do ano seguinte foram lançados os singles Halo e Broken-Hearted Girl, que marcaram a carreira da cantora e figuram no top das músicas que mais figuram nas suas setlists.

I Am… Sasha Fierce trouxe a Beyoncé vários prémios, nomeadamente seis Grammy Awards, perdendo apenas uma das categorias para a qual estava nomeada e estabelecendo um recorde da cerimónia.

Hard Candy, Madonna

Se novos talentos andavam a renovar os lugares do mundo da pop, havia quem andasse no jogo há muito tempo e continuasse a dar cartas. Madonna em Hard Candy não inova, mas dá-nos alguns dos maiores êxitos da dance pop. Entre participações de Justin Timberlake e Kanye West, contam-se temas como Give It 2 Me, 4 Minutes e Miles Away.

Viva La Vida or Death and All His Friends, Coldplay

Viva La Vida é o álbum que marca o fim de uma era para o grupo britânico. A partir daqui, a dimensão rock, no seu estilo rock pop, dissolveu-se. No entanto, este disco ainda deu algumas alegrias aos fãs que lá estavam desde Parachutes (2000) com, por exemplo, Lost!, Violet Hill e 42. Com este disco os Coldplay receberam um Grammy Award para Melhor Álbum Rock.

The Age of the Understatement, The Last Shadow Puppets

O disco que juntou Alex Turner, o frontman dos Arctic Monkeys, e Miles Kane, dos The Rascals, já faz dez anos. Uma aventura num registo bem diferente daquele que caracterizava ambas as bandas na altura. The Age of the Understatement combina pop barroca com indie rock, numa experiência muito inspirada pelos The Beatles e trouxe-nos temas como Separate And Ever Deadly, Standing Next To Me e Black Plant.

Antidotes, Foals

Mais uma estreia em 2008 foi a dos britânicos Foals. A banda que agora está mais do que estabelecida na indústria lançou o seu primeiro álbum há dez anos e desde aí temos assistido a uma grande evolução, que a tornou num dos nomes mais importantes do indie rock atual. Antidotes trouxe-nos alguns dos maiores êxitos do grupo como Cassius, Olympic Airways e Two Steps, Twice.

Dig Out Your Soul, Oasis

Enquanto uns se lançavam numa nova jornada, outros escreviam o capítulo derradeiro – pelo menos, até agora. Dig Out Your Soul foi lançado há precisamente uma década e constitui-se como o último álbum de estúdio dos irmãos Gallagher até à data.

Apesar de não ser a sua opus magnum, muitos críticos referiram-se a este álbum como um regresso às raízes. Talvez numa última tentativa de manter viva a chama dos Oasis.

Oracular Spectacular, MGMT

Apesar de ter saído em formato digital no final de 2007, o primeiro disco dos MGMT só se materializou em 2008. Foi precisamente aí que invadiram as aparelhagens e as playlists dos amantes de uma electrónica psicadélica dançável. Oracular Spectacular marcou o início da história do duo americano e inclui os temas mais conhecidos da banda: Time to Pretend, Electric Feel e Kids.

Black Diamond, Buraka Som Sistema

“A buraka é que está cuiar” – em 2008, de facto eram eles que estavam no topo. O grupo angolano que lançou o seu primeiro álbum From Buraka To The World! em 2006, só em 2008 com o single Kalemba (Wegue Wegue) se lançou realmente para o mundo. Black Diamond catapultou os Buraka para o sucesso internacional, levando o kuduro e o afro house a todos os cantos do mundo.

808s & Heartbreak, Kanye West

O álbum que revelou um outro lado de uma das maiores figuras do hip hop e do rap surgiu há dez anos. Inicialmente, 808s & Heartbreak deixou os fãs do trabalho de Kanye divididos entre aquilo que poderia ser uma produção experimentalista no seio do hip hop e a desilusão perante uma perda de identidade e daquilo que Kanye representava. Diferiu de tudo aquilo que havia sido editado antes, destacou-se por isso e tornou-se numa das maiores influências para nomes do R&B e do hip hop comercial como Drake e The Weekend.