O ator James Franco foi acusado de assédio sexual, numa reportagem do Los Angeles Times desta quinta-feira. As acusações de cinco mulheres começaram a surgir como reação ao apoio do ator, considerado hipócrita, a movimentos de solidariedade para com vítimas de assédio sexual.

Nada faria prever que após vencer o Globo de Ouro para Melhor Ator em Comédia ou Musical, o momento de glória de Franco fosse ofuscado por um escândalo sexual. O ator de Um Desastre de Artista apresentou-se vestido de preto na cerimónia, demonstrando solidariedade para com as vítimas do movimento #MeToo. Tendo também usado um pin de lapela de apoio ao movimento Times’s Up, que pretende denunciar a falta de igualdade e sexismo na indústria cinematográfica.

A primeira atriz a acusá-lo foi Sarah Tither-Kaplan. A ex-aluna da escola fundada pelo ator, Studio 4, utilizou o Twitter para denunciar o alegado assédio. No tweet que enviou no dia da cerimónia, criticou o pin que o ator usava. Recordou também, quando Franco afirmou que não considerava exploração as cenas de nudez da estudante, por esta estar sob contrato de 100 euros ao dia.

 

Na reportagem do Los Angeles Times, Tither-Kaplan denunciou também assédio numa cena de orgia em que contracenou com ator. Franco, alegadamente, removeu o plástico que cobria a vagina das atrizes. Katie Ryan, outra ex-aluna da escola Studio 4, revelou ao LA Times que o ator “fazia toda a gente sentir que era possível obter papéis se fizessem atos sexuais ou despissem as camisolas.”. 

Duas outras ex-alunas, Hilary Dusome e Natalie Chmiel, acusaram Franco de proporcionar um ambiente hostil em estúdio. Segundo as atrizes, durante as rodagens de um cena de um filme que se passava num clube de strip, Franco sugeriu que se despissem. Quando nenhuma mulher se ofereceu para fazer topless, o ator ficou visivelmente zangado.

A quinta acusação é de Violet Paley. Embora não fosse aluna de Franco, afirma que o ator alegadamente se ofereceu para ajudá-la com notas num argumento. Tendo posteriormente pressionado a atriz para lhe fazer sexo oral. Paley conta que conseguiu evitar o incidente, ao falsamente avisar Franco que alguém os teria reconhecido.

James Franco defende-se das acusações

O advogado de ator, Michael Plonsker, nega todas as acusações e remete para as declarações feitas pelo ator no programa “Late Show With Stephen Colbert”.

James Franco reiterou o seu apoio para com quaisquer vítimas de assédio sexual e afirmou que já tinha sido informado das alegações que surgiam no Twitter, dizendo que não estavam corretas.“As coisas que ouvi que estavam no twitter não estão corretas, mas eu apoio as pessoas que conseguem ter uma voz porque não conseguiram durante muito tempo.”

Evento Cancelado

Dois dias após as acusações de assédio sexual surgirem, o jornal The New York Times cancelou um evento com James Franco.  O evento, agendado para quarta-feira, contaria com um painel constituído por James e David Franco, para promover o filme Um Desastre de Artista. 

O New York Times justificou-se num comunicado ao Hollywood Reporter. “O evento pretendia criar uma discussão sobre como foi feito o filme Um Desastre de Artista. Tendo em conta a controvérsia acerca das recentes alegações, não nos sentimos confortáveis para proceder como intendíamos.”

Passado tumultuoso

Não é a primeira vez que o ator de Homem Aranha é acusado de comportamento inapropriado. Em 2014 foi denunciado pela imprensa tablóide um convite para um encontro que Franco fez a uma fã de 17 anos, pelo Instagram. A revelação deu origem a várias críticas, levando Franco a admitir ter demonstrado “um mau julgamento”.