Como se diz, ano novo, vida nova. Neste caso, damos-te uma vida musical nova, com uma lista de dez artistas que provavelmente não conheces. Os músicos escolhidos são “novatos” no mundo da música e variam entre o indie, jazz, pop, eletrónica e outros estilos. Enfim, uma tabela perfeita para aqueles que passam a vida a mostrar novas bandas aos seus amigos.

1. Yellow Days

Uma das grandes promessas da nova geração indie é, sem dúvida, Yellow Days. O jovem de 18 anos projeta uma voz rouca digna de Ray Charles e faz líricas melancolicamente brilhantes, que se enquadram perfeitamente num blues alternativo. Lançou o ano passado o álbum Is Everything Ok in The World?, repleto de grandes canções. Contudo, o EP Harmless Melodies, segundo o Spotify, é o preferido dos fãs do cantor.

2. Boy Pablo

Pablo Muñoz, conhecido como Boy Pablo, é outra aposta para o este ano. A sua música melancólica, mas paradoxalmente feliz, faz lembrar um Mac Demarco mais pop. Roy Pablo é o seu primeiro e único EP. Everytime é a prova dessa melancolia deliciosa e a primeira canção para os que querem experimentar a sua música. Este ano terá a sua primeira digressão europeia e espera-se que consiga dar um saltinho a Portugal.

3. Masego

Masego é daqueles artistas que conseguem juntar estilos de música que, em teoria, não deveriam combinar. A definição da arte de Masego seria TrapHouseJazz. O nome por si diz tudo. Mistura rap e trap music com batidas de house, juntando também uma pitada de jazz, sendo ele próprio saxofonista. Músicas como Navajo e Tadow despertam a sua veia jazz, já o EP Loose Thoughts junta um pouco de tudo.

4. Gus Dapperton

Outra promessa da música indie é Gus Dapperton. Em 2017, lançou Yellow and Such, um mini-álbum indie pop com melodias impressionantes, que transportam a mente para um outro mundo, como Gum, Toe and Sole. Recentemente, lançou o single Prune, You Talk Funny.

5. Lewis Capaldi

Este jovem escocês de 21 anos é o próximo da lista. Começou a sua curta carreira com 12 anos, cantando em pubs locais e acompanhou Rag’N’Bone Man na sua tour europeia, em novembro de 2017. O cantor tem uma enorme parecença com Ed Sheeran, pelas suas melodias tristes e letras românticas. A sua voz é outra característica fascinante. Muito parecida com a de James Arthur, é bastante poderosa e grave, encaixando perfeitamente com o tocar melancólico do piano.

6. Rex Orange County

Alex O’Connor, aliás Rex Orange County, deve ser uma das escolhas mais completas desta listagem. Com uma mistura de pop, soul e rap, as suas músicas são daquelas que, pura e simplesmente, fazem abanar a cabeça a qualquer um. Sunflower e Best Friend são perfeitos exemplos. Contudo, também deixa espaço para canções mais tristonhas. O seu último álbum, Apricot Princess, lançado em 2017, é um ótimo disco para ouvir em dias chuvosos.

7. Cosmo Pyke

Cosmo Pyke é um compositor londrino de 19 anos. A sua música é uma combinação de blues, jazz e hip hop altamente contagiante. Ele escreve canções lo-fi, que ele próprio descreve como “lindas e preguiçosas”. O seu EP Just Cosmo, publicado em 2017,  é uma grande primeira obra do britânico. Canções como Social Sites ou Chronic Sunshine deixam a vontade de ouvir mais, mas por enquanto fica-se só por este mini-álbum e singles.

8. Alexandra Savior

A jovem protegida de Alex Turner lançou o primeiro álbum, Belladonna of Sadness, em abril de 2017. Através das suas músicas é percetível a influência de Turner e um toque muito subtil de Lana Del Rey, mas Alexandra Savior tem uma vibe muito própria que a descola do seu mentor ou de outras possíveis comparações. Um som muito feminino e sedutor, graças também à voz arrepiante de Savior. Aposta muito promissora para uma nova geração de divas do indie rock.

9. Rationale

Tinashe Fazakerley anda nas lides musicais desde 2010, em 2015 reinventou-se como Rationale e em 2017 lançou o primeiro álbum sob o novo nome artístico. Um projecto ainda pouco conhecido do público, mas com todo o potencial para crescer no futuro e se tornar marcante na cena indie pop. As influências soul e R&B são notórias, mas é o seu twist mais eletrónico que tornam a música do artista tão interessante. A voz profunda e reconfortante de Fazakerley enchem a sua sonoridade de uma beleza arrebatadora.

10. Brian (ex-Rich Chigga)

Oh my God, man, his voice so deep, I thought he was 21, brinca o próprio rapper em Chaos. Mas não, Brian Imanuel tem apenas 18 anos e o mundo do hip-hop já a seus pés. Originalmente conhecido como Rich Chigga, o músico largou o nome artístico o ano passado, trocando-o pelo seu nome de nascimento. O indonésio aprendeu inglês sozinho através do género musical e apresentou-se em 2016 com Dat $tick. Tem lançado alguns singles nos últimos dois anos e o seu primeiro álbum, Amen, vai ser lançado em fevereiro.

Artigo feito com a colaboração de Ana Rosário.