afonso dorido
afonso dorido

Entrevista a Afonso Dorido: “A forma mais bela de olhar o interior”

Assume-se como um apaixonado pelo Interior e pelas pessoas que lá vivem. Mais do que pelos sítios, pelas pessoas. Afonso Dorido, o homem que dá a voz ao Homem em Catarse, o seu alter-ego, é muito mais do que um músico. Até porque um músico nunca o é somente. No seu repertório a solo conta com dois discos. Um deles, totalmente dedicado ao interior do país.

Em 2015, Afonso Dorido aventurou-se a solo, enquanto Homem em Catarse, e lançou o disco de curta duração, Guarda Rios. O bichinho começou a ganhar forma e, dois anos depois, a sua obra principal nasce: Viagem Interior é um hino às terras e gentes do interior.

“Tudo começou de forma espontânea, depois de uma visita à Covilhã e a Évora. Senti que há um interior lindíssimo que fica na sombra e que é relegado por um ‘poder central’”, confessa.

afonso dorido
Frame do videoclipe da música Portalegre, do álbum Viagem Interior

É nele que centra toda a sua obra. “O Viagem Interior está a ter um papel importante, enquanto fator de aproximação das pessoas a essa zona do país, quase sempre esquecida. Foi mesmo esse o propósito do disco, aliás. Tem servido de promoção e valorização do interior. Hoje, quando atuo fora do país, inclusive, as pessoas mostram-se muito curiosas por conhecer os locais que canto neste disco”, afirma.

Mas recuemos no tempo. Afonso Dorido começa a fazer música “mais a sério” desde os “tempos em que surgiram os Indignu”, uma banda portuguesa, “mas com influências de todo o mundo”. “Muitas vezes é difícil para nós marcar concertos enquanto banda porque os seus membros espalham-se por, pelo menos, três continentes”, disse o cantor.

O seu percurso começa então há cerca de 13 anos, com o propósito de “revolucionar tudo”. Quem o disse foi Graça Carvalho, violinista dos Indignu e amiga próxima de Afonso, que divide a sua vida entre Barcelos e o Cairo, no Egipto.

“A banda surgiu como surgiram todas as bandas de garagem da altura. Um tipo pensa que vai revolucionar tudo e começa a juntar pessoas”.  “Os Indignu são um conjunto de pessoas numa descarga emotiva. No fundo é a emoção e é uma extensão de nós. Os Indignu são a extensão de cinco almas”, acrescenta.

Ao serviço da banda, Afonso participou no lançamento de três discos de originais. Em março de 2010 surgiu o primeiro, Fetus in Fetu, um disco experimental com a participação de Valter Hugo Mãe, que inaugurou quer o trajeto musical da banda, quer o trajeto de Afonso enquanto artista. Mais tarde, em 2013, um novo disco é editado: Odyssea, um disco concetual, com história e onde a palavra raras vezes aparece, dando lugar a uma experiência musical meramente instrumental.

Apesar do nome escolhido para este álbum, não existe nele “nenhuma ligação direta, ou propositada, com a obra de Homero”. “Sendo esta uma história dinâmica, com muitos altos e baixos”, a fazer lembrar a discografia pós-rock dos pujantes Explosions in the Sky, “decidimos por bem dar este nome porque é mesmo isso que ele representa”, disse Afonso Dorido. “Indica uma jornada que tem um fim claro, mas um final dúbio. É uma viagem, no fundo”, acrescenta Graça Carvalho.

O “silêncio” deste disco abre-nos a mente. “Podes ler a música à tua maneira, porque ela abre-se e não te fecha. Não te fala de problemas sociais, do desemprego, do capitalismo, de nada. És só tu e o silêncio da música”, afirma o cantor.

Este disco, que chegou a vender quase tanto no estrangeiro como em Portugal, foi o que catapultou a banda de Afonso Dorido para a ribalta. A partir daqui, e com todas as críticas positivas da comunicação social da altura, os Indignu partiram para a sua próxima aventura.

O ano de 2016 esperava-se muito bom para a banda e as expectativas estavam bem elevadas. Foi nesse mesmo ano que surgiu o terceiro e, até agora, último trabalho discográfico do quinteto nortenho. Ophelia é, para além de um dos discos esteticamente mais bonitos de que há memória, um hino à libertação pela arte.

O pós-rock que o compõe dá-lhe a “força que a música precisa para vencer”.  O Mar do Norte que abre as hostes deste disco prolonga-se até Jerusalém e acaba na vertiginosa catarse de Santhiago do Schiele.

As influências de Afonso Dorido na banda ficaram mais claras com a sua aventura a solo enquanto Homem em Catarse, que se oficializou em 2015, altura de lançamento do seu primeiro EP Guarda Rios. “O Afonso tem um valor que excede o de companheiro de banda e até o de companheiro criativo. É o tipo de pessoa que toda a gente precisa para levar a cabo qualquer empreendimento. Um tipo com um talento enorme. Geralmente dedilha as suas frases na guitarra e trá-las disfarçadamente para a sala de ensaios. Normalmente eu presto-lhe imediata atenção e o resto da malta segue o instinto a seu ritmo. Há partes de temas só dele”, confessa Graça Carvalho.

“Trabalhar com ele é seguro, e em termos criativos e estéticos somos muitíssimo compatíveis. Não sei porque sentiu necessidade de tocar a solo, mas possivelmente tem a ver com o facto de o som dos Indignu ser limitado a um certo espectro atmosférico e instrumental na sua essência e muito trabalhado com o resto da malta. Homem em Catarse é o seu manifesto poético, artístico, pessoal, livre e intransmissível. Penso que não precisamos de razões para voar sozinhos”, frisou a violinista da banda.

A nível pessoal, deixa-se influenciar pelo “folk ambiente ou progressivo”. Diz o cantor que “gosta de cruzar caminhos”. Nas suas melodias facilmente se vê o cruzamento entre um ukelele e a música folk. Serve este trabalho a solo para refletir a sua forma pessoal em catarse. “O Homem (em Catarse) refere-se ao ser humano enquanto humanidade e não enquanto Homem masculino”.

Foi com uma música presente neste seu primeiro disco, a Mergulho no Cávado que fez parte dos Novos Talentos da Fnac, em 2015. Uma sensação “estranha”, uma vez que Afonso, na altura com 32 anos, já andava nas estradas com a sua banda há algum tempo. “Enquanto membro de uma banda como os Indignu, as individualidades passam um pouco ao lado, e sobressai mais a banda como um todo. Aqui, enquanto Homem em Catarse consigo chegar às pessoas e essa nomeação marcou a altura em as pessoas começaram a saber o meu nome”.

“Este projeto surgiu com uma necessidade de criar algo diferente que não cabia na estética da banda. É uma entidade mais minha e depois de lançar o Guarda Rios essa diferença ficou ainda mais vincada”, adiantou Afonso. A ideia de criar um disco, todo ele dedicado às pessoas e às terras do interior, era algo que lhe “passava pela cabeça há muito tempo”. O gosto por dar voz às minorias esquecidas pelo avançar dos tempos é a sua grande motivação.

Filipe Miranda, produtor do Viagem Interior, e membro dos antigos Kafka e vocalista em The Partinson Seed, percebe facilmente a importância que este álbum tem para Afonso Dorido. “O Afonso tem uma paixão pelo interior e está atento e genuinamente preocupado com o futuro no interior do país. Eu cresci no litoral, sou uma pessoa de mar, de horizonte largo e plano. Não partilho da mesma paixão pelo interior, embora também veja o país como algo de inteiro e que tem de ser pensado dessa forma, cuidando das pessoas e dos lugares na melhoria de condições de vida”.

Graça Carvalho mantém a mesma ideia: “O Afonso é um entusiasta pelo interior. Isso vê-se. É vê-lo aproveitar todos os fins de semana, e observar-lhe o brilhozinho nos olhos quando fala dos montes e das terras e das gentes, mas acima de tudo das paisagens, do que enxergam os olhos. É um poeta natural”. O que o fez avançar por este disco foi o seu “entusiasmo e entrega às coisas e às pessoas. Destaca-se do resto da humanidade por isso mesmo. É um tipo contagiante na sua paixão e isso é transversal à sua pessoa e ao músico”. 

Viagem Interior homenageia locais como Tua, Portalegre, Vila Real, Évora, Tomar, Beja, Bragança, Monchique, Portas do Ródão, Lamego, Alqueva, Régua, Covilhã, Alcoutim, Monsanto, Mértola e Guarda. No total são 17 locais cantados neste disco que foi apresentado, curiosamente, numa travessia de comboio entre Lisboa e Sintra. Uma viagem que demorou quatro anos.

“Ao todo demorei cerca de quatro anos a pensar, trabalhar e concluir este disco. Fazer este percurso sozinho foi mais do que uma necessidade. Foi um caminho. É uma forma de respeitares o teu “eu” e levares a cabo coisas mais pessoais. Gosto muito de andar na estrada em banda, mas também gosto de o fazer de forma solitária. Eu adoro viajar, adoro conhecer e por vezes é terapêutico seguir estrada fora sozinho em busca daquilo que se mais gosta de fazer na vida”, confessou Afonso Dorido.

A sua evolução entre discos foi tema de debate. À “espontaneidade e inspiração” reconhecidas por Graça Carvalho, junta-se “o fôlego e a ambição” adjetivados por Filipe Miranda. “O Viagem Interior tem um fôlego muito maior, é um trabalho mais conceptual e mais ambicioso ao nível artístico. Apesar de eu achar que o Guarda Rios tenha sido um pouco o despoletar desta vontade do Afonso em fazer algo assim mais profundo, é um EP. O Viagem Interior é bem mais extenso”.

Olhar o Interior

Apesar de reconhecer muitas fragilidades ao interior do país, Afonso Dorido carrega nos olhos a esperança no futuro do panorama cultural: “Penso que, felizmente, é uma coisa que começa a mudar. Os Autarcas de uma nova geração parecem olhar para o presente com uma outra perspetiva. Apostar na cultura não é só apostar “porque sim”. Apostar na cultura é despertar conhecimento nas pessoas, mostrar-lhe coisas novas e não oferecer mais do mesmo ano após ano. Há muito a “cultura do emigrante” no Verão! E o resto? As políticas populistas e retrógradas são o maior inimigo do desenvolvimento cultural”.

Todas as fragilidades e o medo de apostar num ambiente cultural, por parte dos autarcas que gerem as aldeias e cidades do interior, foi sempre culpa do “conformismo”. “É uma questão de fundo, uma roldana em alguns casos de décadas aliada ao conformismo e ao medo de se inovar. E é precisamente isso que mais faltará: inovação e criatividade. Mas como fazer isso se os jovens são autenticamente “convidados” a sair da sua terra?”, questiona. “É preciso fixar as pessoas, fixar o futuro”.

Afonso Dorido, em Homem em Catarse e, por arrasto, em Indignu, representa o que de mais belo tem o interior do país: as pessoas. Concluiu o cantor que o seu trabalho “é a forma mais bela de olhar o interior. Olhar para ele como o futuro e devolver-lhe aquilo que sempre foi seu: as pessoas, as gentes, orgulhosas das suas tradições e ao mesmo tempo com olhos postos no futuro abraçando o amanhã com a mesma espontaneidade com que abraçam as suas raízes”.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Guia TV
Guia TV. A final de ‘The Voice Kids’, filmes e concertos para ver este fim de semana