Slow J no palco EDP

Os discos de 2017: as escolhas nacionais

Depois de termos escolhido quais eram os discos internacionais do ano, é tempo de revermos quais os discos nacionais que se destacaram em 2017.

Panoramix, Madrepaz, janeiro

Os Madrepaz estreiam-se nos álbuns em grande estilo. Panoramix tem uma sonoridade muito fresca, com um pop rock psicadélico muito próprio. Os estilos instrumentais são coerentes (o álbum chega a fazer ligação orgânica entre cada uma das músicas), mas cada canção tem o seu cunho único. As vozes de Pedro da Rosa e Ricardo Amaral são um óptimo complemento uma da outra, misturando-se como se fossem uma só. – AR

Luís Severo, Luís Severo, março

Luís Severo (álbum e músico) tem uma certa magia que prende e pede atenção durante a sua duração. Duração que é ao mesmo tempo um curto concentrado perfeito mas que deixa a desejar que fosse mais comprido. Repleto de uma simplicidade maravilhosa e com um pequeno toque de inocência, este álbum homónimo de Severo tem um espírito íntimo que faz parecer que o músico está à nossa frente de guitarra na mão a cantar só para nós. – AR

Pontos nos Is, Quatro e Meia, junho

Os Quatro e Meia aparecem num seguimento de bandas que pegam na música tradicional portuguesa e lhe dão um twist moderno. Cresceram muito no último ano e Pontos nos Is é a confirmação da qualidade do grupo. Têm como trunfo uma mão cheia de instrumentos menos usuais (como, por exemplo, o acordeão e o bandolim), que deixam as músicas agradavelmente cheias. Canções de sorriso no rosto e com ar de festa, pedem para bater o pé. – AR

The Art of Slowing Down, Slow J, março

Se já nos andava a convencer de que merecia ser ouvido, foi, definitivamente, este álbum que levou Slow J aos ouvidos de todo o país. Se alguns são mais adeptos de Serenata, outros são mais induzidos por uma Vida Boa. A verdade é que esta produção de João Coelho é Arte pura, que vem marcar outro período da história do hip hop em Portugal, com uma veia crítica ainda bem presente. – BP

Primeira Dama, Primeira Dama, maio

Manel Lourenço tem na verve todo o seu talento. Não que o rapaz de Histórias por Contar não se safe também no sintetizador que conduz as suas palavras e até na guitarra que as distorce mas é nos poemas à(s) menina(s) que a sua música ganha todo o significado. Mais cinco pontos para a Xita Records. – AS

Antwerpen, Surma, setembro

Débora Umbelino já vinha a prometer. Com os EPs lançados com o selo da leiriense Omnichord Records a one girl band junta as batidas da eletrónica com a sujidade da guitarra em sons ora delicodoces ora rudes que convocam para várias paisagens (mentais e sonoras). – AS

Orelha Negra, Orelha Negra, setembro

Samuel Mira, Francisco Rebelo, DJ Cruzfader, Fred Ferreira e João Gomes vêm provando, desde que formaram o coletivo Orelha Negra, que a música instrumental carregada de referências (muitas delas pessoas, supomos) tem um lugar nos ouvidos dos portugueses. Ao terceiro registo, e nos concertos em que o apresentaram, mostram como são uma lufada de ar fresquíssimo e cheio de groove. – AS
Escolhas de Ana Rosário, Bárbara Pereira e Alexandra Silva

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Lupin
‘Lupin’. Livros originais regressam aos mais vendidos com série na Netflix