A caminho da sétima missão humanitária, Gustavo Carona decidiu levar consigo todos aqueles que acreditam que vale a pena lutar por um mundo melhor. Foi assim que nasceu 1001 Cartas Para Mosul, um livro com cartas portuguesas para os habitantes de Mosul, uma cidade iraquiana destruída pela guerra.

A ideia surgiu durante uma insónia e o médico não a largou mais. “Queria dar a oportunidade às boas pessoas de se exprimirem e estenderem a mão àquela população que passou e passa o inimaginável”, recorda.

Mais tarde, o apelo foi lançado nas redes sociais e a receptividade dos portugueses não podia ter sido melhor. 1001 Cartas Para Mosul reúne palavras e ilustrações, mas, acima de tudo, o apoio do povo português.

“Eu achei bastante interessante sentir as reações de quem escreveu. Sentirmos que podemos falar com alguém que está no sofrimento extremo é um grande desconforto, é preciso ter coragem. Mas depois de ultrapassarmos essa barreira, houve manifestações lindas de amor e compaixão e sobretudo esperança. As reações no Iraque têm sido lindas. Sentir o carinho de desconhecidos é muito especial para quem esta numa situação miserável. Para mim, foi mágico”, conta-nos o autor.

Com edição em português, inglês e árabe, o livro chegou ao Iraque em junho e desde aí já foram distribuídos mais de 500 livros. O objetivo de Gustavo Carona foi cumprido e o primeiro passo está dado: a consciencialização.

O livro da EGO Editora está à venda por 14,25 euros. Os direitos de autor revertem a favor dos Médicos Sem Fronteiras e da Plataforma de Apoio aos Refugiados.

Mosul

Foto: EGO Editora

O autor

Gustavo Carona é médico anestesista e intensivista no Hospital Pedro Hispano em Matosinhos. Juntou-se aos Médicos Sem Fronteiras em 2009. Soma hoje oito missões humanitárias, em países como Moçambique, Congo, Paquistão, Afeganistão, Síria, República Centro-Africana e Iraque.

O hospital muda, mas a missão é a mesma: lutar contra a indiferença e a intolerância.

LÊ TAMBÉM: OS LIVROS QUE MAIS NOS MARCARAM EM 2017