Não é incomum os filhos quererem seguir os passos dos pais. No campo da arte, essa é uma situação bastante presente e parece que há um novo caso. Desta vez, falamos de Gene Gallagher, o filho mais novo do antigo vocalista dos Oasis, Liam Gallagher.

Gene, atualmente com 16 anos de idade, terá demonstrado vontade de formar uma banda. Segundo Liam, apesar de o filho ainda ser estudante, “toca guitarra e bateria e anda à procura de membros para a banda.” Ainda nas suas palavras, Gene tem dote para a guitarra e a atitude rock ‘n’ roll não lhe falta. Na imagem em baixo, podemos ver os dois filhos de Liam a tocarem guitarra.

View this post on Instagram

Lol

A post shared by Gal (@genegallagher) on

A verdade é que essa vocação está nos seus genes. Para além de o pai ter pertencido a uma das mais famosas bandas de sempre, a mãe, Nicole Appleton, foi parte integrante das All Saints, um grupo pop britânico.

Porém, não é só na música que Gene parece estar a seguir o caminho do pai. O rapaz parece ter herdado a veia conflituosa de Liam, depois de este ano ter atacado a prima Anaïs, filha de Noel Gallagher, na rede social Twitter. Chegou a criticar Lennon, o irmão mais velho, quando ele utilizou uma t-shirt dos Blur – os rivais dos Oasis, na batalha do Britpop.

Entretanto, também Lennon Gallagher já chega aos olhos dos mais atentos. No entanto, não é no mundo da música que se tem vindo a destacar. Com dezoito anos feitos, o segundo da ninhada de Liam Gallagher, iniciou uma carreira de modelo e já desfilou para a Topman na London Fashion Week.

Quanto aos irmãos Liam e Noel

Nos últimos dias, tem-se vindo a falar de uma reconciliação dos membros mais velhos da família. Segundo Liam, foram dadas tréguas, mas isso não significa uma reunião dos Oasis. O mais novo da dupla foi rápido em terminar com as especulações dos fãs, dizendo que tanto ele como Noel estão empenhados nas suas carreiras a solo e não está à vista o retorno da banda britânica.

No entanto, nunca se sabe o que o futuro reserva. Se os Oasis vão regressar? Não sabemos, mas a imprevisibilidade que sempre marcou este duo faz-nos ter esperanças.