Disney compra 21st Century Fox. E agora, o que é que acontece às séries da Fox?

A Disney anunciou este mês a sua intenção em adquirir a 21st Century Fox e a grande maioria dos seus ativos. Este negócio terá profundas implicações no panorama dos media norte-americanos, em especial para o canal Fox.

Este acordo de venda, que está estimado ficar concluído em 2019, inclui a transferência do estúdio 20th Century Fox, os canais de cabo FX, FXX e National Geographic, bem como a sua quota na plataforma de streaming Hulu, entre outros.

Alguns deles, entre os quais os canais Fox, Fox News, Fox Sports 1 e Fox Sports 2, não serão vendidos à Disney. Rupert Murdoch pretende lançar uma nova empresa spin-off centrada nestes ativos e que, para já, é denominada de New Fox.

Assim, o estúdio 20th Century Fox irá afastar-se do canal Fox, a atual casa de séries como Empire, Gotham, Simpsons, ou Family Guy. Esta mudança de enquadramento poderá ter impactos significativos na grelha de programação da emissora a médio prazo, já que deixará de ser tão rentável emitir séries provenientes do estúdio 20th Century Fox, que atualmente fornece cerca de 70% das suas séries.

Crise de audiências já dura há cinco anos

Nos EUA, a Fox tem atravessado uma crise de audiências nos últimos anos. Impulsionada por sucessos como American Idol, 24, House ou Prison Break, o canal viveu uma era dourada na primeira década do século. Mas, a partir da temporada 2012-2013, deixou de assumir a liderança de audiências no target comercial, que inclui os espectadores entre os 18 e os 49 anos. Até agora não foi capaz de recuperar. Estes últimos cinco anos viu a NBC e a CBS a ganharem protagonismo, disputando entre si o primeiro lugar.

O último sucesso lançado pelo canal foi em 2015, ano em que estreou Empire, recebida com estrondo nas audiências. Desde então, não foi capaz de lançar mais nenhum programa que conseguisse conquistar a generalidade do público. Ainda na fall season deste ano, os novos hits vieram da ABC (The Good Doctor) e CBS (Young Sheldon), enquanto no ano passado o destaque veio da NBC (This Is Us).

Empire, Fox, estreias,

‘Empire’ foi um dos últimos sucessos que a Fox conseguiu produzir (Fotografia: Divulgação / Fox)

Por outro lado, a Fox tem construído gradualmente uma grelha repleta de dramas e comédias de nicho, com captação de públicos restritos, o que se reflete na audiência global.

Dentro dos dramas exibidos este outono, Gotham, Lethal Weapon, The Gifted, The Orville, Lucifer e Star têm oscilado entre os dois e os cinco milhões de espectadores. Empire está um pouco acima: entre os cinco e os sete.

Nas comédias, o cenário é igualmente frágil, se não mesmo pior: Brooklyn Nine-Nine, The Mick, Last Man on Earth, Family Guy, Bobs Burgers oscilam entre os um e três milhões, com Simpsons em torno dos quatro.

Já na vertente de concursos, desde que American Idol terminou na Fox (para a ABC roubá-lo poucos meses depois e relançá-lo já no primeiro trimestre de 2018), predomina um vazio e falta de criatividade. O salvador continua a ser Gordon Ramsay e as suas múltiplas iterações culinárias.

É um cenário francamente distinto do vivido pela NBC, por exemplo, canal dos já veteranos sucessos The Voice ou America’s Got Talent, mas dos também recentes World of Dance, com Jennifer Lopez, ou Ellen’s Game of Games, de Ellen DeGeneres.

Os Simpsons podem ficar desalojados?

Alguns analistas sugerem que o futuro do canal poderá passar por uma redução da componente de séries na sua grelha, incrementando os conteúdos de notícias e desporto, numa sinergia com os restantes canais que formarão a New Fox. Alternativamente, o canal poderá passar a comprar mais séries a outros estúdios independentes, não associados a um canal, como a Sony.

É pouco provável que nos próximos anos o canal venha a abdicar dos seus maiores hits como Empire, Simpsons, ou Family Guy. Ainda assim, a Fox poderá ter toda a motivação para limpar uma parte considerável da sua grelha e eliminar os programas com rentabilidade limitada. Por isso, a única sugestão que pode ser dada é para todos terem maior cautela quando decidirem adicionar uma série proveniente da Fox à vossa lista. Um futuro imprevisível e a acompanhar com atenção.