Star Wars: Os Últimos Jedi – A estreia do ano

A estreia do ano chegou. Star Wars: Os Últimos Jedi, oitavo capítulo da space opera iniciada por George Lucas, chega finalmente aos cinemas. As primeiras críticas são altamente positivas… menos em Portugal.

É inevitável: o novo filme de Star Wars é a estreia do ano. Os Últimos Jedi é a mais recente adição a um legado iniciado por George Lucas há, precisamente, 40 anos atrás. A saga parecia concluída – e não nos melhores termos – com A Vingança dos Sith, em 2005. Mas, após a venda da Lucasfilm à Walt Disney Pictures, em 2012, tudo mudou. A Disney não quis renunciar um dos maiores sucessos da história do cinema e, por isso, decidiu dar continuidade à saga.

Em 2015 estreava assim Star Wars: O Despertar da Força. Novos heróis e heroínas juntaram-se aos personagens originais que todos reconheciam neste sétimo episódio da saga. A frescura aliou-se à nostalgia e o público respondeu da melhor forma. O Despertar da Força gerou quase dois mil milhões de euros em todo o mundo e tornou-se no terceiro filme mais rentável da história do cinema. Estavam assim lançadas as bases.

Dois anos depois (e com Rogue One: Uma História de Star Wars pelo meio), estreia a sequela de O Despertar da Força. Os Últimos Jedi tem sido apoiado por uma eficaz campanha de marketing que deixou o público repleto de adrenalina. Também a crítica parece estar a render-se ao filme. Mas vamos por partes.

Retomando os eventos do filme anterior, Os Últimos Jedi mostra-nos Luke Skywalker (Mark Hamill), o lendário Jedi que ajudou a derrubar o império. No entanto, Skywalker não conseguiu reconstruir os Cavaleiros Jedi, resignando-se por isso ao exílio e a uma vida de paz. Mas a ameaçadora Primeira Ordem, nascida das cinzas do império, ameaça a liberdade de todos os povos da galáxia.

A resistência à Primeira Ordem é liderada pela General Leia Organa (Carrie Fisher), cuja experiência no comando é fulcral. Apesar disso, Leia sabe que a resistência precisa da ajuda do seu irmão. É neste sentido que Rey (Daisy Ridley) é enviada para encontrar Skywalker. A jovem sente o poder da força a despertar cada vez mais dentro de si só ela poderá apelar ao velho Jedi.

Mas, após a derrota da primeira batalha, a Primeira Ordem reorganiza-se. Kylo Ren (Adam Driver), jovem Sith, é a principal arma do Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) para destruir Luke e Leia.

O regresso de Hamill e a ausência de Fisher

O regresso de Mark Hamill é, talvez, o principal cartão de visita de Os Últimos Jedi. O ator americano, protagonista central da trilogia original, regressa finalmente ao grande ecrã para reinterpretar o papel da sua carreira. Hamill esteve envolvido no filme anterior, mas as cenas que protagonizou foram escassas. Com o rumo da história diretamente focado em Luke Skywalker e no seu caminho de redenção, é esperado que o ator se assuma como um dos protagonistas.

De regresso estão igualmente Daisy Ridley e Adam Driver. A estes juntam-se John Boyega, o stormtrooper desertor que agora luta pela resistência, e Oscar Isaac, um piloto também da resistência. Domhnall Gleeson regressa também para interpretar General Hux, ex-líder de uma base da Primeira Ordem. É esperado também maior protagonismo para Gwendoline Christie (a Brienne de Game of Thrones), que voltará a interpretar a Captain Phasma, comandante dos stormtroopers.

Mas ao impressionante elenco juntam-se também novos nomes. O oscarizados Benicio Del Toro é o nome mais sonante, assim como a atriz Laura Dern. Há também uma galeria de divertidos cameos e pequenas participações especiais que o público poderá descobrir. Atores como Joseph Gordon-Levitt, Tom Hardy ou Simon Pegg estão algures “escondidos” no filme.

O elenco é também assolado pela ausência de Carrie Fisher. A atriz, que se celebrizou no papel de Leia Organa, perdeu a vida há um ano atrás. Vítima de paragem cardíaca, Fisher viria a falecer no dia 27 de Dezembro, causando o luto entre os fãs. Embora já tivesse terminado as filmagens para Os Últimos Jedi, era esperada a sua presença no Episódio IX, com estreia marcada para 2019.

“In loving memory of our princess”

Apesar da perda de Fischer, o realizador de Os Últimos Jedi garante que o arco da sua personagem não foi alterado. Em entrevista à Entertainment Weekly, Rian Johnson disse esperar que os fãs gostem da conclusão dada à personagem. “Não podíamos saber que este seria o último filme de Star Wars em que ela estaria, não fizemos o filme a pensar num final para a personagem. Mas haverá uma reação muito emocional ao que ela vai fazer neste filme“, disse Johnson.

O realizador revelou já também que o filme é dedicado à memória da atriz. O público que já viu o filme confirma-o, enaltecendo a mensagem presente nos créditos finais: “In loving memory of our princess, Carrie Fischer.” Adicionalmente, Johnson fez questão em recordar Carrie Fisher na noite de estreia do filme. “Dedico esta noite à Carrie. Sei que ela está lá em cima a dizer ‘Bolas Rian, como é que te atreves a deprimir as pessoas assim numa noite destas?’. Por isso vamos divertir-nos pela Carrie.”

Os Jedi dormem?

Naturalmente que, tratando-se do franchise que é, as ações de promoção têm sido constantes. O elenco esteve presente no talk-show de Jimmy Kimmel, onde abordou diferentes assuntos. A importância da saga para cada membro, a singularidade da palavra “Jedi” e até a perspectiva do elenco sobre porgs foram alguns dos hilariantes tópicos abordados.

Mark Hamill brindou o público com a sua imitação de Harrison Ford, mas foi Kimmel o maior aliado do espectador. Não disfarçando o entusiasmo, o apresentador conseguiu arrancar uma informação interessante: a primeira palavra dita em Os Últimos Jedi é “nós”.

E o que diz a crítica?

Embora estreie apenas amanhã, já estão disponíveis as primeiras reações ao filme – e são altamente positivas. O site Rotten Tomatoes regista para já uma taxa de aprovação de 94%. O consenso do site é de que o filme “honra o legado da saga e adiciona algumas surpresas, dando aos fãs a ação carregada de emoção que esperam.”

O The Guardian atribui quatro estrelas (em cinco) e fala de um “espetáculo de adrenalina, um filme que vibra com a crença em si mesmo e no seu universo mítico. É impossível não ser varrido” O The Independent segue a mesma nota e classifica este como “o mais divertido filme Star Wars que já vimos.” A Entertainment Weekly atribui um B+ ao filme, que descreve como “um triunfo com falhas. Mas com essas falhas, mostra-nos uma mensagem tão velha como o tempo. Os heróis não vivem para sempre.“Já a Empire chega mesmo à nota máxima, dizendo que este é “um tributo adequado a Carrie Fisher.”

Curiosamente, a crítica portuguesa parece não estar de acordo. O Público descreve Os Últimos Jedi como tendo “uma sensação de claustrofobia intensa que só as coisas muito aborrecidas proporcionam“. O jornal português atribuiu a classificação mínima ao filme.

O público português terá hipótese de julgar por si mesmo, a partir de dia 14.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
José Condessa
José Condessa garante que “ficou uma boa relação com a Globo”