Bahtiyar Duysak. É este o nome do homem que desativou, ainda que temporariamente, a conta de Twitter do presidente norte-americano, Donald Trump. Depois de os jornalistas terem procurado incansavelmente a pessoa por trás desta ação, o antigo empregado da rede social resolveu, por fim, revelar o seu nome ao site TechCrunch.

Se ainda não sabes de que estamos a falar, a conta de Donald Trump foi desativada a 2 de novembro durante 11 minutos. Inicialmente, o Twitter referiu que esta ação tinha sido acidental, mas a questão levantou imensas perguntas pela internet e o mistério parece ter chegado ao fim.

Duysak trabalhava para o Twitter através de uma empresa parceira, a Pro Unlimited, e fazia parte da equipa de suporte ao utilizador da rede social, que recebe notificações na eventualidade de um utilizador reportar outro. A equipa a que Bahtiyar Duysak pertencia estava encarregue de analisar cada uma das situações repostadas para determinar qual o passo a seguir.

Lê também: Web Summit 2017: Diretor da campanha de Trump gera polémica e divide o público

No seu último dia de trabalha para o Twitter, Duysak recebeu uma notificação de que um utilizador teria reportado a conta do presidente norte-americano e, por lapso, o empregado da Pro Unlimited desativou a conta de Donald Trump e, “fechou o seu computador e saiu do edifício”, tal como refere em entrevista ao TechCrunch.

O erro foi imediatamente corrigido – a conta só esteve desativada durante 11 minutos – mas foi o suficiente para vários utilizadores do Twitter se terem manifestado, alguns até referindo que o empregado, por ter desativado a conta de Trump, poderia ser candidato a Prémio Nobel da Paz.

Na entrevista que deu, Bahtiyar Duysak refere que o seu erro não passou disso mesmo, um erro, e que se tratou também de uma série de coincidências que ocorreram ao longo daquele que seria o seu último dia de trabalho. Terminou dizendo que nutre um grande amor não apenas pelo Twitter, mas também pelos Estados Unidos da América.