Dezembro aproxima-se, as ruas enchem-se de luzes e o frio já se sente. É quase Natal. No Campo Pequeno, o ambiente, o cheiro e as decorações também não enganam: estamos no Mercado de Natal. Dos queijos aos doces, da roupa ao calçado, dos produtos artesanais aos biológicos, todos nos lembram que a época natalícia está aí à porta.

A sétima edição do Mercado de Natal do Campo Pequeno já começou. Até dia 3 de dezembro, este será um dos melhores locais da cidade de Lisboa para comprar produtos originais e criativos. Com mais de 100 expositores, não parece difícil encontrar um presente diferente para aquele amigo que já tem tudo.

Entramos pela porta principal e não precisamos de andar muito para querer parar no primeiro expositor: o do Licor 35: “Um creme que nasce da fusão do popular licor com o tradicional Pastel de Nata”. Não resistimos. Temos de provar. E adorar. O travo adocicado não esconde as origens deste sabor português.

Um mercado com assinatura portuguesa

Mas muitos mais sabores portugueses podem ser encontrados no Mercado de Natal. Não fosse esse o critério – a assinatura nacional – mais importante para estar presente na arena do Campo Pequeno por estes dias. Assim o explica António Dentinho, membro da organização, que reforça que o objetivo deste e de outros mercados organizados neste local passam sempre por divulgar o melhor do país: “Queremos ideias novas, portuguesas, com empreendedorismo”, explica, acrescentando que esta é uma boa oportunidade para as pessoas mostrarem os seus produtos e se darem a conhecer ao grande público.

A mostrar os seus cadernos está Carla Barata. Juntou-se em 2013 à irmã para criar a Casa d’Amendoeira, um projeto que começou por ser um atelier de encadernação, mas que hoje conta com uma vasta coleção de cadernos que a própria descreve como “vitorianos e vintage”. Nenhuma das irmãs é designer, por isso ilustram os cadernos com imagens da era vitoriana. As frases são escolhidas a dedo, para que os cadernos aliem “a técnica ao sentido de humor”. É esta a marca da Casa d’Amendoeira, que podemos encontrar pelos vários mercados e feiras de Lisboa.

O caderno mais pequeno da Casa D’Amendoeira

Quem também tem participado em mercados, embora com menos tempo de história, é a Inês Matos e a Cátia Diogo, com o My Wood Tailor. Começaram em julho deste ano, mas a paixão pelo artesanato fez Cátia abandonar a sua profissão como investigadora científica há 11 anos para se dedicar exclusivamente a trabalhar madeira para criar acessórios para animais (como comedores, camas, arranhadores) e artigos de decoração. Por estes dias vão estar na arena do Campo Pequeno a mostrar um pouco mais do que gostam de fazer.

Expositor do projeto My Wood Tailor

Como a Carla, a Inês ou a Cátia, mais uma centena de pessoas aproveitou a oportunidade para mostrar os seus projetos. Dispostas em círculos na arena do Campo Pequeno, umas mais tímidas que outras, todas desejam apresentar as suas ideias ao mundo. Algumas já conhecemos e estamos habituados a ver pelas feiras, como o Feliz é quem diz ou o Wish a bean. Outras podem ser uma novidade para alguns.

As plantas No’Ar também atraem curiosos. Ana Teixeira desmistifica a ideia: plantas que não têm raizes e por isso absorvem os nutrientes e a humidade do ar. A manuntenção é fácil e, com criatividade, podem ser boas formas de decoração. Levar a natureza para perto das pessoas é o sonho de Ana, que encontrou nas Tillandsias (assim se chamam estas plantas) uma forma de o concretizar.

Da comida ao calçado, variedade não falta

Este ano, o Mercado de Natal do Campo Pequeno conta com uma embaixadora, a Sofia Cotrim, que está presente com o seu projeto Mundo de Sofia. A apresentadora do programa da SIC Mulher com o mesmo nome não esconde o orgulho em ter sido convidade: “É um privilégio e um reconhecimento deste projeto, um prazer partilhar o espaço com todas estas marcas portuguesas”. Sofia está no Mercado de Natal com kits de costura, montagem e colagem, numa tentativa de incentivar as pessoas a fazerem os seus próprios projetos. “As mãos hoje em dia mexem em teclados, mas queremos voltar a usá-las em atividades de coordenação e criatividade”, conclui.

Estas e outras marcas originais e portuguesas podem ser descobertas por estes dias no Campo Pequeno. Desde calçado, roupa e acessórios (bijuteria, óculos de sol, mochilas), passando por produtos gourmet ou orgânicos,especiarias, quadros, sabonetes, até cadernos e jogos, a oferta é vasta e ideias para presentes de Natal criativos não faltam.

O Mercado de Natal vai estar aberto, das 11h30 às 21h30, até domingo, dia 3 de dezembro. A entrada custa 2€, mas 1€ pode ser deduzido em compras de valor igual ou superior a 8€.