How To Get Away With Murder

How To Get Away With Murder 4×07: Annalise está imparável!

Falta apenas um episódio para terminar a primeira metade desta temporada de How To Get Away With Murder e desvendar o grande mistério que, ao contrário dos anteriores, permanece uma autêntica incógnita. O novo episódio, intitulado Nobody Roots For Goliath, estreou no canal ABC no dia 9 de novembro. Em Portugal, a série é exibida no AXN.

Em tribunal, Annalise (Viola Davis) depara-se com uma força oponente que tenta destruir o seu caso de ação coletiva. O ataque? Uma foto na qual a advogada aparece com uma garrafa de uísque na mão, utilizando então o pretexto de que ela quebrou a sua sobriedade.

Annalise explica que a garrafa foi colocada no seu carro e estava apenas a deitá-la fora. Um génio como sempre, a protagonista descobre a culpada por trás da incriminação e obriga-a a contar a verdade em tribunal, salvando o seu caso.

Uma das grandes bases para o sucesso do caso é também a presença de Isaac (Jimmy Smits), que declara em tribunal que Annalise está determinada na sobriedade e não acredita que ela algum dia volte a beber embora a vontade seja muita.How To Get Away With Murder

Por falar no terapeuta, a ex-mulher do mesmo relata a Annalise a história do casal ter perdido a sua filha adolescente há uns anos atrás, temendo que o envolvimento de Isaac com a advogada possa acordar o seu vício pela heroína. De modo a limpar a consciência, Annalise é transferida para a dita esposa e corta qualquer ligação com Isaac.

Lê também: How To Get Away With Murder 4×06: de volta à primeira temporada?

Ver Annalise independente, cheia de garra e a trabalhar num caso coletivo que irá efetivamente trazer algum bem a este mundo é uma mudança maravilhosa que apenas prova o quanto a personagem cresceu. Para além disso, qualquer cena de Davis em tribunal é simplesmente mágica. Contudo, todos sabemos que Annalise tem uma pré-disposição para lidar com as porcarias dos outros, o que me leva a acreditar que esta felicidade durará pouco…

Os restantes “mini-advogados”

Asher (Matt McGorry) continua magoado por ter sido deixado de parte na investigação do restante grupo e, como forma de pequena vingança pessoal, decide contar a situação a Frank (Frank Delfino).

Inicialmente desagradado, Frank decide colocar o seu amor por Laurel (Karla Souza) acima de tudo. Como tal, o plano está montado: vai haver uma festa na Captain&Gold durante a semana vindoura e será a desculpa perfeita para assaltar os ficheiros da Antares e revelar a verdade. É de suspeitar que a dita festa será o cenário para a tragédia que tem vindo a ser divulgada aos poucos no final de casa episódio.How To Get Away With Murder

Com pouco mais a contar, o restante tempo de antena é dedicado aos casais. Laurel revela a Frank que quer fazer o teste de paternidade, dando o primeiro passo para que ambos fiquem oficialmente juntos. Eu nunca gostei particularmente deste casal e Laurel parece estar a ser mais oportunista do que outra coisa, mas enfim.

Asher questiona as intenções de Michaela (Aja Naomi King) e o amor que ela nutre (ou não) por ele. De forma a provar o contrário, Michaela destrói o vestido de casamento que ainda tinha guardado do anterior noivado, jurando a pés juntos que quer ficar com Asher e nunca lhe voltará a mentir.

Por seu turno, Connor (Jack Falahee) confessa a Oliver (Conrad Ricamora) que nunca se sentiu tão feliz e concretizado por estar com alguém, acrescentando que não quer adiar o casamento; pode ser já amanhã! Até que Oliver confessa que lhe tem andado a mentir e se prepara para revelar o envolvimento no plano do restante grupo.

Nada a mais, nada a menos. Este episódio serviu simplesmente para testar a garra dos protagonistas e abanar um pouco as relações amorosas, tendo adiantado absolutamente nada na narrativa. Resta esperar pela próxima semana.

NOTA: 3/10

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cofina
Cofina insiste na aquisição da Media Capital e culpa acionistas pela “fragilidade” da empresa