Amadora BD: 2.º fim de semana, Kirby e outras andanças

Amadora BD — Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora está  a chegar ao fim: acaba já este domingo, dia 12 de novembro. Mas, antes disso, o Espalha-Factos mostra-te o que viu no passado fim de semana e conta-te um pouco como é perder-se no meio da 9.ª arte e ficar, pelo menos, uma hora à espera de autógrafos.

LÊ TAMBÉM: AMADORABD: O 1.º FIM DE SEMANA, A GUERRA E O FADO

O Rio Salgado

Uma exposição focada em O Rio Salgado, o primeiro romance gráfico do alemão Jan Bauer, publicado em português pela editora Polvo. Conta uma história de amor terno e inesperado, com paisagens laranja e turquesa, que fazem sonhar.

Revisitar a Visão

A exposição bibliográfica Revisões, edição da editora Chili com Carne, invoca a extinta Visão, uma revista dedicada à banda desenhada, publicada por Vítor Mesquita. Embora a cenografia não ajude na hora de nos aproximarmos das páginas de BD, aplaude-se o grafismo vanguardista de autores como Carlos Zíngaro — um ilustrador e autor de banda desenhada que também é músico.

Tecto da Biblioteca

Não é propriamente uma exposição. É mais um exercício de decoração que entretém por breves momentos — ou um pouco mais para quem se dá ao trabalho de consultar o guia para identificar os personagens, retratados por Rui Pimentel e que se encontram (como o nome da alegada exposição indica) no tecto. E o que se vê — caricaturas de personagens da literatura, do cinema, da história e da banda desenhada — é uma reprodução do que o arquitecto fez para outro tecto, o da sua biblioteca pessoal.

Jack Kirby

Jack Kirby é uma lenda do mundo dos comics. Co-criador com Stan Lee das personagens mais icónicas da Marvel dos anos 60, acabou por se afastar da editora e começou, no início da década de 70, a trabalhar para a concorrência, a DC, com quem já tinha colaborado nos anos 40 e 50. Foi, assim, que criou o Quarto Mundo, uma mitologia de ficção científica que gira em torno de antigas divindades do espaço, os Novos Deuses.

A exposição, comissariada por Mário Freitas, destaca alguns dos momentos mais marcantes da carreira de Kirby. E Mike Royer, um dos seus colaboradores, esteve presente no festival.

Nem todos os cactos têm picos e The Lisbon Studio

Conseguimos uma geribéria e um lírio, no interior de dois exemplares de Nem todos os cactos têm picos, de Mosi. É a nova banda desenhada da jovem autora, que teve a sua estreia em língua inglesa no festival Thought Bubble, em setembro último. A apresentação do livro decorre hoje, 11 de novembro, às 15h, com a presença do seu editor, Rui Brito, da editora Polvo. Sempre simpática, não tinha mais que uma pessoa das duas vezes que a visitámos no espaço para os autógrafos — resta dizer que não percebemos porquê.

Quanto ao The Lisbon Studio, já se contam duas antologias, a primeira sobre Cidades e a segunda sobre o Silêncio. Para conseguirmos autógrafos de todos os autores desta última obra foi necessária pelo menos uma hora em pé. A maior parte dos autores mostrou-se bem disposto, apesar de tantas horas a desenhar — sim, os autógrafos dos ilustradores são sempre desenhos mais ao menos elaborados.

O espaço onde se pode não só comprar livros, muitas vezes com acesso a descontos, mas sobretudo entrar em contacto com os autores (argumentistas e ilustradores) é, sem sombra de dúvida, incontornável. Não há quem não se perca nas bancas e sabe tão bem ter uma obra — seja um álbum, um romance gráfico, um comic, uma antologia ou uma fanzine —autografado, de preferência com uma ilustração única, feita especialmente para nós.

E este fim de semana?

Este fim de semana é, pelo menos, para ver o resto das exposições do piso -1, entrevistar a Mosi e conseguir um autógrafo de Grazia La Padula, a ilustradora de Ecos Invisíveis, de Tony Sandoval (editado em Portugal pela Kingpin Books). E não esquecer também de dar um salto à banca da editora Goody, pela primeira vez no Amadora BD.

Fotos de Raquel Dias da Silva.

Mais Artigos
Festival da Canção
Festival da Canção em análise. The Black Mamba podem sair-se bem na Eurovisão?