Apagão
Foto: divulgação

Um espetáculo às escuras? ‘Apagão’ despede-se de Lisboa esta noite

O espetáculo Apagão vai estar esta noite na Galeria Zé dos Bois, no Bairro Alto, em Lisboa.

Uma reflexão sobre a importância da imagem,  a exibição distingue-se pela ausência de luz no palco e na plateia.

Da autoria de David Marques (bailarino e coreógrafo) e Tiago Cadete (coreógrafo e artista visual), Apagão é uma produção da Parca.

O espetáculo segue depois para Montemor-o-Velho, no dia 23 de novembro.

Sobre Apagão: uma experiência sem luz

Em declarações à imprensa,  os coreógrafos garantem que “a escuridão é total”. David Marques e Tiago Cadete explicam ainda que “no centro do espetáculo está a perceção, através de sons e das vozes” .

Referem ainda que o objetivo do espetáculo é a reflexão sobre a ausência da luz, e como isso pode ser também da ordem do imagético e inserir-se numa conceção de arte.

“O escuro acarreta em si mesmo um mistério assustador”

O artista visual Tiago Cadete realça o “mistério” que a escuridão carrega, indicando que ambos vão debater o tema em palco, e, ao mesmo tempo, fazer com que o público pense na imagem.

À imprensa, a organização explica que quer “não só retirar a luz da plateia mas também a do palco” contrariamente à tradicional luz incidente sobre os intérpretes.

Num espetáculo cujo expoente referencial é o compositor alemão Richard Wagner (que já envia ensaiado a escuridão da plateia), Apagão vai mais longe, evidenciando as relações tensionais entre espetador e ator.

Apagão vai estar em exibição esta noite em Lisboa, sendo o último dia do espetáculo na capital.

Regressa a cena depois, no dia 23 de novembro, no Teatro Esther de Carvalho, no Festival Citemor, em Montemor-o-Velho.

Assiste aqui ao teaser de Apagão.

LÊ TAMBÉM: BAILARINO PORTUGUÊS MÁRCIO MOTA NO PRIX DE LAUSANNE 2018
Mais Artigos
O Ídolo
Crítica. ‘O Ídolo’, um filme de Fernando Pessoa de se lhe tirar o chapéu