Pela primeira vez, uma das obras de Sophia de Mello Breyner navegará até mares alemães. A Menina do Mar vai contar com uma edição inédita em alemão que vai ser publicada ainda este mês pela Oxalá Editora.

Traduzida por Isabel Remer, a obra que chega agora aos nativos de língua alemã é, segundo comunicado enviado pela editora ao Notícias ao Minuto“um dos contos infantis mais conhecidos da escritora”.

A Menina do Mar será lançada oficialmente em meados de novembro, sendo uma estreia do livro de Sophia de Mello Breyner Andersen numa edição bilingue (português-alemão).

Editado pela primeira vez em 1958, o conto infantil que permanece no Plano Nacional de Leitura de ‘pedra e cal’, revela a história de amizade entre um rapaz da terra e uma menina que vive no mar.

A Menina do Mar

Foto: Wook

A obra, repleta de sensações e de imagens únicas do ambiente marinho, transmite a ideia de que mundos diferentes também se podem complementar pois, apesar de cada um viver no seu mundo, a curiosidade de ambos leva-os a querer partilhar essas diferenças e todos os sentimentos que serão descritos ao longo do livro.

A Oxalá Editora tem sede em Dortmund, na Alemanha, e “age globalmente no mundo lusófono, tendo por detrás uma ampla experiência editorial do Grupo Portugal Post Verlag”.

Sobre Sophia de Mello Breyner Andersen

A autora que dizia ter encontrado a poesia “antes de saber que havia literatura”, nunca negou a sua ligação ao mar e à natureza, estando estes dois temas presentes na maioria das suas obras.

Vencedora do Prémio Camões em 1999, sendo a primeira mulher portuguesa a recebê-lo, Sophia de Mello Breyner Andersen é autora, não só de icónicos contos infantis mas também, de uma vasta obra poética, de teatro e ensaio.

Após a sua morte em 2004, o Oceanário de Lisboa colocou, permanentemente, diversos excertos dos seus poemas com ligação ao mar pelas zonas de descanso da exposição, permitindo aos visitantes absorverem a beleza da sua escrita enquanto estão imersos numa visão do fundo do mar.

LÊ TAMBÉM: J.K. ROWLING REVELA ORIGEM DO SÍMBOLO DE HARRY POTTER E OS TALISMÃS DA MORTE