Mia Couto
Foto: Flickr

O novo desafio de Mia Couto em ‘O Bebedor de Horizontes’

O mais recente livro de Mia Couto, O Bebedor de Horizontes, considerado pelo próprio como o maior desafio que já teve enquanto escritor, foi apresentado na semana passada, em Maputo.

A triologia da qual este último título faz parte, As areias do imperador, conta já com os títulos Mulheres de Cinza e A Espada e a Azagaia.
A história da terceira obra gira em torno da prisão de Ngugunhane, em 1895, último imperador do Império de Gaza.
Decorre em Moçambique, na altura tido como um dois palcos de maior resistência à penetração colonial portuguesa. Falando de nós próprios, o autor finge estar a falar de outras pessoas que já não estão connosco.
O livro revela as falsas diferenças que dividem os moçambicanos e que hoje se colocam mais uma vez à história de Moçambique.
A apresentação da obra, que decorreu em Maputo, Moçambique, teve com orador o Presidente da República, Filipe Nyusi.

As Areias do Imperador: uma trilogia moçambicana

A viagem, iniciada em 2015, com a publicação de Mulheres de Cinza, é uma ficção em torno dos derradeiros dias do Estado de Gaza, no sul de Moçambique, o segundo maior império da África dirigido por um africano.

Mulheres de Cinza
Mia Couto
Foto: Leya

Ngungunyane (ou Gungunhane, como ficou conhecido pelos portugueses) foi o último de uma série de imperadores que governou metade do território de Moçambique.

Derrotado em 1895, pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque, Ngungunyane foi deportado para os Açores onde veio a morrer em 1906.

Os seus restos mortais terão sido trasladados para Moçambique em 1985. Existem, no entanto, versões que sugerem que não foram as ossadas do imperador que voltaram para dentro da urna. Foram torrões de areia. Do grande adversário de Portugal restam areias recolhidas em solo português.

No Brasil, este primeiro volume teve grande aceitação por parte do público e da crítica, tendo sido indicado como um dos finalistas do Prémio São Paulo 2016. Na Alemanha, por sua vez, é o quinto livro mais vendido.

A Espada e a Azagaia
Mia Couto
Foto: Leya

Em outubro de 2016, foi publicado o segundo volume da triologia, A espada e a Azagaia.

Este relata a guerra travada no Sul de Moçambique, no final do século XIX, entre Portugal e o Império de Gaza. Termina com a vitória das tropas portuguesas em Coolela e Chaimite e a prisão de Gungunhana.

O Bebedor de Horizontes
Mia Couto
Foto: Leya

O pano de fundo deste romance são os últimos dias da vida de Ngugunhane, que faleceu em 1906, nos Açores.

Este explora factos reais, como a apreensão, algures nas margens do Limpopo, de Nwamatibjana, líder dos Mpfumo.

O Bebedor de horizontes estará disponível em Portugal a partir de 21 de novembro.

LÊ TAMBÉM: NOVIDADES DE NOVEMBRO EM LIVROS