saramago
Foto: página oficial de Julián Fuks no Facebook

‘Ocupação’ é o próximo livro do vencedor do Prémio Saramago

O escritor brasileiro Julián Fuks, vencedor do Prémio José Saramago, prepara já o seu próximo livro. A Resistência, obra galardoada, vai dar lugar ao sofrimento, à miséria e à pobreza em Ocupação, cujo lançamento é esperado no final de 2018.

O livro, que se encontra ainda numa fase muito prematura, vai abordar esses temas fortes, reflexo da imigração e dos refugiados sírios e de países latinos como o Peru e o Uruguai.

Contudo Ocupação não se vai restringir apenas a retratar a pobreza específica de cada caso, indo antes ao encontro de “um sistema global que fere iniquidades e desigualdades”, pode ler-se num comunicado enviado à imprensa.

“Uma ocupação do centro de São Paulo (cidade brasileira) por moradores sem teto”, com os quais Julián Fuks foi convidado a viver algum tempo, é o ponto de partida deste livro que refere ainda a “globalização do sofrimento”.

O autor, que se considera um apoiante de “uma literatura em diálogo franco com a realidade do mundo“, não tem dúvidas que na sua nova obra vai denunciar o que crê ser uma miséria global.

Escrever é “um imperativo”

Em conversa com os leitores do Folio, Festival Literário Internacional de Óbidos, sobre a sua carreira, Julián admitiu que escrever é para si “um imperativo” que expressa através dos livros, nos quais aproveita, por vezes, para exorcizar os seus “fantasmas” e os dos outros.

Exemplo disso foi o seu mais recente livro, que lhe valeu o Prémio José Saramago. Nele é retratada a história da sua família, oriunda da Argentina, de onde partiu em 1976, quando se deu o golpe de Estado. Este derrubou a presidente María Estela Perón e instaurou o poder ditatorial de uma junta militar, que governou o país com grande violência até dezembro de 1983.

LÊ TAMBÉM: JULIÁN FUKS E A RESISTÊNCIA: QUEM É ESTE AUTOR QUE VENCEU O PRÉMIO JOSÉ SARAMAGO?

Sob uma “pressão paradoxal”

Quando fala da sua mais recente galardão, o escritor confessou sentir-se numa “pressão paradoxal”, na medida em que encara a “a responsabilidade de escrever mais e melhores livros“.

Por um lado, o público exige mais livros, enquanto que pelo outro, o autor sente que precisa de distanciamento e tempo para a escrita.

Julián Fuks admitiu ainda a possibilidade de vir a lançar o seu novo livro em Portugal, durante o Folio do próximo ano.

LÊ TAMBÉM: NO PORTO O HALLOWEEN COMEMORA-SE NA LIVRARIA LELLO

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
RTP
RTP. Faz sentido um serviço público sem público?