Este sábado (21), o Hard Club acolheu os !!! (Chk Chk Chk) para um espetáculo de apresentação do seu sétimo registo em estúdio, Shake the Shudder, editado com o selo da Warp. Anteriormente, a pequena digressão pelo território nacional passou igualmente pelo Lisboa ao Vivo e pelo Octógono do Fundão.

Com o concerto agendado para as 22h, o público apenas foi compondo o antigo Mercado Ferreira Borges na meia hora que antecedeu a hora marcada – e o recinto acabou efetivamente por fixar-se na meia casa.

De blazer cinzento e calções curtos, o carismático Nick Offer pisou o palco após Mario Andreoni, Dan Gorman, Paul Quattrone, Rafael Cohen e Lea Lea já o terem feito. As sonoridades futuristas dos norte-americanos tiveram o seu início em NRGQ, que abriu o espetáculo. O tema de abertura contou com o vocal de apoio de Lea Lea, ainda que a cantora se tenha apresentado sentada, com a perna esquerda engessada.

You are wondering what happened here, right? I broke my ankle!”, explicou Lea Lea, pelo meio. Seguiu-se Riderz, que fez mesmo o frontman tirar o blazer que envergava. Decisão garantidamente acertada, tal era o calor que se fazia sentir na sala.

Instantes depois, em Pardon My Freedom, Nick Offer não colocou um travão à sua irrequietude e invadiu mesmo o público, que o recebeu euforicamente. Throttle Service e a festiva Dancing is the Best Revenge foram as canções que se seguiram, e a segunda levou novamente o extravagante vocalista para o centro da multidão. A excentricidade da banda de dance-punk não descura, nunca, a postura punk e o contágio é inevitável.

A enérgica Freedom! ’15 e One Girl/ One Boy, fugindo um pouco aos temas mais recentes, foram bastante aplaudidas e os pedidos para um regresso de um convívio com a plateia foram previsivelmente concretizados, uma vez mais. Na pré-despedida, houve também o single The One 2, Yadnus e Slyd.

Após múltiplos agradecimentos, no momento do encore, a incontornável Heart of Hearts, escolhida em detrimento de Must Be The Moon através de uma votação que teve como critério o ruído emitido pelo próprio público presente, assinalou um dos pontos altos de uma agradável noite de dança.

Fotografias de Mariana Gomes.