American Horror Story continua a todo o vapor, à medida que certas forças tentam desvendar o culto e este continua a causar cada vez mais caos – de tal forma que, no episódio desta semana, a cena inicial teve de ser largamente editada. O novo episódio, intitulado Mid-Western Assassin, estreou no canal FX no dia 10 de outubro.

Devido à tragédia em Las Vegas no início do mês, a cena de abertura do episódio foi reduzida: durante um debate político, várias pessoas são abatidas a tiro – até Kai (Evan Peters) parece ficar ferido. A polícia intervém e encontra Ally (Sarah Paulson) de arma na mão. Eis que regressamos atrás no tempo para perceber o que se sucedeu.

A decisão de editar este início gerou controvérsia. Há quem acredite que os criadores da série agiram bem, de modo a prestar respeito às vítimas de Las Vegas e respetivas famílias. Outros, por seu turno, acham que a América tem de ver aquilo com que realmente lida: o perigo da legalização das armas. Tendo em conta que Cult tem sido uma chapada de luva branca para o estado atual da América, manter a cena teria tido o seu quê de lógica.American Horror Story

Pela primeira vez nesta temporada, Ally consegue ganhar coragem e resgata Meadow (Leslie Grossman) das garras de Harrison (Billy Eichner) e Jack (Colton Haynes). A loira explica então a sua história, sem quaisquer rodeios.

Lê também: American Horror Story 7×05: os membros do culto são revelados

Existe efetivamente um culto assassino na cidade, que inclui a esposa da própria Ally, como sabemos. Meadow apaixonou-se por Kai mas decidiu saltar do barco quando os seus sentimentos não foram correspondidos. Eis que Kai ordena que o culto prenda Meadow e simule a sua morte.

Durante o seu testemunho, descobrimos também que Ivy (Alison Pill) se juntou ao culto após confessar a Kai a verdadeira razão por odiar a esposa: foi ela quem carregou o filho na barriga e agiu como se Ivy fosse um elemento a mais na família. Não me parece razão suficiente para virar assassina, mas enfim. Adiante.American Horror Story

Ally tenta recorrer a Sally – o regresso maravilhoso de Mare Winnigham, veterana da série -, uma oponente de Kai na corrida política, e a mulher acaba por acreditar nela. Mas eis que entra cena o culto de palhaços e assassina Sally, fazendo com que a sua morte pareça um suicídio. Winnigham é uma atriz que merecia muito mais mas os seus minutos no episódio foram absolutamente preciosos.

De volta ao início do episódio, descobrimos que foi Meadow que iniciou o tiroteio como forma de vingança. Ally tentou travá-la, até que Meadow se mata com um tiro na boca, deixando a arma nas mãos da primeira. Mas esperem, a reviravolta não termina aqui.American Horror Story

Somos levados de volta ao momento em que Meadow está presa pelo culto e descobrimos que foi tudo orquestrado: Kai convenceu-a a iniciar os tiros, de modo a elevar a sua própria figura política a nível nacional, e Meadow caiu pelas suas fantasias, acreditando que o amor entre ambos era verdadeiro.

Jogando com um cenário que, infelizmente, é bastante real no país americano, esta temporada de American Horror Story continua a mostrar a realidade nua e crua: no mundo da política, ou se come ou se é comido. Kai é das melhores interpretações de Peters até à data e mostra como uma figura carismática pode levar os mais vulneráveis a cometer loucuras.

NOTA: 8/10