A Moda voltou, durante o dia de ontem, ao Pavilhão Carlos Lopes em Lisboa. O segundo dia da 49ª edição da ModaLisboa luz ficou marcado pelo calor, pelo brilho e por um calendário de desfiles que se estendeu até ao cair da noite.

Se o dia se iniciou, mais uma vez, nos jardins próximos ao Pavilhão Carlos Lopes, a noite estendeu-se com desfiles que decorreram já na sua passerelle interior. David Ferreira, a dupla Awaytomars, Nuno Gama e Dino Alves são alguns dos designers que se destacaram num dia onde a exuberância e a cultura nacional voltaram a marcar presença.

Talentos emergentes

O segundo dia de ModaLisboa iniciou-se com duas caras recentes da indústria. Coube a IMAUVE e a Carolina Machado, num desfile conjunto, iniciar o evento no espaço exterior do pavilhão.

A primeira a apresentar as suas propostas para a Primavera/Verão 2018 foi Imauve. A marca da designer Inês de Oliveira expôs ao público a sua coleção intitulada de Birds Of Paradise, cujo mote de inspiração encontra-se no filme “On The Milky Road”. É sobretudo nos coordenados com padrão de pássaros coloridos que a materialização da obra cinematográfica de Emir Kusturica está presente.

Numa coleção onde se pretendia alcançar o nível mais natural do homem, a designer apostou principalmente nos tons terra, nos quais se destacam o amarelo torrado e o verde azeitona, e em peças fluídas e transparentes, sendo ainda visível a presença de elementos mais austéros.

Logo de seguida, e sem qualquer tipo de pausa, foi a vez de Carolina Machado apresentar o seu trabalho. Igualmente de inspiração cinematográfica, RISE surge como uma coleção que leva a audiência numa viagem ao passado. Franzidos, mangas volumosas, referências ao tailoring clássico em conjunto com tons fortes e brilhantes tornaram a faceta dos anos 80 presente na obra Laurence Anyways de Xavier Dolan bem visível.

Desfiles Singulares

São vários os críticos da industria que apontam a moda do século XXI como saturada, repetitiva, um “mais do mesmo”. No entanto, parecem ainda existir designers esforçados em deixar a sua pegada firme e marcar pela diferença.

David Ferreira foi o primeiro grande designer do dia a apresentar-se. Tendo nos últimos tempo se afirmado como um dos nomes promissores da moda portuguesa, Ferreira apresentou uma coleção que marcou a audiência desde o primeiro segundo. Extravagância, luxúria e elegância parecem não ser palavras suficientes para descrever KARYŪKAI FATUM.

A sedução e exuberância da coleção marcaram presença em peças de cetim de seda, tule e crepe complementadas com penas de avestruz exóticas. Os azuis e rosas, que se juntaram ao preto, vermelho e ouro foram o fundo de coordenados que criaram silhuetas únicas e fizeram desta uma das mais surpreendentes coleções do dia.

Lê também: CULTURA, COR E DIVERSIDADE MARCAM O ARRANQUE DA MODALISBOA LUZ

A diferença não foi apenas marcada pelos coordenados apresentados. A dupla Awaytomars destacou-se principalmente pela forma de organização do desfile. Modelos colocados de pé em cima de blocos brancos, estáticos, fazendo o público circular à sua volta deu uma dinâmica e intimidade diferente à apresentação.

A coleção 718 é também ela singular na medida em que 718 foram o número de designers envolvidos na sua criação. A diversidade era o conceito chave que a dupla pretendia colocar nas suas peças, materializando-o através de estampagens abstratas, imagens fotográficas e tons quentes e marcantes.

Cultura portuguesa em destaque com Nuno Gama

O desfile mais aguardado do segundo dia da ModaLisboa Luz foi também aquele que estreou a passerelle no interior do Pavilhão Carlos Lopes. A apresentação de Nuno Gama, iniciada com uma performance inesperada e declamação poética, superou as expetativas dos presentes.

Os modelos, com maquilhagem de argila branca, apresentaram-nos coordenados onde o clássico fato e blazer se confundiu com um estilo mais descontraído marcado pelos calções e pelas gangas, uma das grandes tendências SS18.

O som da guitarra portuguesa, os bordados e o azulejo português marcaram este “desfile performance” onde por entre o tons dominantes de branco e azul circulou, inclusive, um guitarrista que tocou ao vivo, levando Nuno Gama a ser aplaudido de pé pela audiência.

Segundo dia da ModaLisboa Luz termina com Ricardo Andrez e Dino Alves

Foi com o sol já posto que Ricardo Andrez invadiu a passerelle do pavilhão Carlos Lopes.O navio Reijin, encalhado em 1988 na praia da Madalena em Vila Nova de Gaia foi o foco principal de inspiração do designer para criar as suas propostas de verão 2018. Por entre caixas de cartão e cabides, os modelos exibiram peças onde se evidenciaram os tecidos acetinados, padrões ecléticos e o oversized que tanto carateriza o trabalho de Andrez.

No final do segundia dia de ModaLisboa Luz fez-se silêncio. O chilrear de pássaros foi o fundo da apresentação de Dino Alves onde as grandes tendências para a próxima estação quente pareciam todas se conjugar.

Por entre riscas e transparência, onde o vermelho, o amarelo e o preto ganharam lugar de destaque,a noção de Silêncio foi levada ao seu limite já no final do desfile. A materialização do conceito foi feita pelas ultimas modelos a pisar a passerelle, que surgiram parcialmente cobertas por cubos pretos.