Damon Lindelof recebeu luz verde por parte da HBO para avançar com a adaptação de Watchmen ao pequeno ecrã. As primeiras suspeitas surgiram com uma fotografia partilhada esta quarta-feira pelo próprio Lindelof, no Instagram. No dia seguinte a HBO confirmou o rumor.

Watchmen

A novela gráfica escrita por Allan Moore e ilustrada por Dave Gibbons foi publicada na década de 80 e adaptada pela primeira vez em 2009. Zack Snyder foi o responsável pela adaptação cinematográfica desta obra. E que adaptação!

Depois da estreia do filme Watchmen – Os Guardiões não se esperava nenhuma prequela ou sequela. Porém, em 2012 a DC Comics publicou um conjunto de mini-séries intitulada Before Watchmen, com foco na individualidade de cada uma das personagens da obra original.

Lê também: Canal História estreia Super Heróis: uma mini-série que mergulha no universo da fantasia e ficção

Por enquanto não há ainda data prevista para a estreia do primeiro episódio e são escassas as informações sobre a série. Dada a complexidade do argumento e a singularidade das personagens é provável que apresente várias temporadas.

Ainda que a novidade tenha sido recebida com enorme entusiasmo pelo público, não deixa de se sentir o receio de que a série fique aquém das expectativas, elevadas pelo excelente trabalho de Snyder. Não será tarefa fácil, mas esperemos que não tarde em chegar.

O universo de Watchmen

Numa realidade alternativa, os Estados Unidos venceram a guerra contra o Vietname e Nixon foi reeleito. Corre o ano de 1985 e o mundo está aos pés da Guerra Fria entre os EUA e a União Soviética. Contam-se os minutos para o início de uma guerra nuclear iminente.

Paralelamente, um grupo de super-heróis reformados pelo Estado investiga uma morte: a de um dos seus elementos. Os Watchmen podem já não estar ativos, mas a sua investigação irá levá-los à descoberta de uma conspiração global.

Watchmen é uma visão satírica e distópica do universo dos super-heróis, longe dos filmes do género. Aqui, os super-heróis não têm poderes nem são necessariamente boas pessoas.

A novela gráfica foi considerada pela TIME como um dos 100 melhores livros de sempre, e que muitos consideram impossível de adaptar a qualquer  outro meio.