A livraria Bertrand do Chiado, Lisboa, vai levar a cabo um curso de surrealismo português, o qual irá decorrer nos dias 14 e 15 de outubro. Vamos ‘surrealisticar’?

Com o objetivo final de mostrar o que foi o surrealismo em Portugal, através de poemas, pinturas e exercícios práticos de acaso objetivo e escrita automática, pretende-se, essencialmente, ‘surrealisticar’.

A formação ficará a cabo da produtora, formadora, revisora e dinamizadora da área dos livros, Rosa Azevedo.

Nesta iniciativa da livraria portuguesa serão abordados diversos artistas, tais como Mário Cesariny (considerado o principal representante do surrealismo português), Alexandre O’Neill (importante poeta do movimento surrealista português), Mário Henrique Leiria (escritor surrealista português), António Maria Lisboa, Pacheco, entre outros.

O curso irá decorrer nos dias 14 e 15 de outubro, entre as 10h00 às 13h00, e terá um valor de inscrição de 50 euros, o qual inclui material para aula prática. As inscrições deverão ser feitas através do e-mail [email protected].

A actividade surrealista não é uma simples purga seguida de um dia de descanso a caldos de galinha, mas revolta permanente contra a estabilidade e cristalização das coisas”, já dizia o poeta português António Maria Lisboa.

Lê também: Dan Brown apresenta novo livro em Portugal

Mas o que é, afinal, o surrealismo?

surrealismo foi um movimento artístico e literário. Este nasceu em Paris na década de 1920. O surrealismo destaca o papel do inconsciente na criação (da arte). Um dos seus principais objetivos foi produzir uma arte, que segundo os seus adeptos, estava a ser destruída pelo racionalismo.

Este estilo é caracterizado pela combinação do representativo com o abstrato, o irreal e o inconsciente. Segundo os seguidores deste movimento, a arte deve libertar-se das exigências da lógica e da razão, devendo assim expressar o mundo do inconsciente e dos sonhos.

Na literatura, os surrealistas rejeitam os típicos valores, tais como família, religião, trabalho e honra, procurando antes o humor, o sonho e a contra lógica.

Mais do que um movimento estético, o surrealismo é uma maneira de ver o mundo. Tem como objetivo restaurar os poderes da imaginação, os quais se encontram limitados pelo utilitarismo e racionalismo da sociedade.

Sobre a formadora

Rosa Azevedo já foi livreira e hoje é produtora, formadora, revisora e dinamizadora da área dos livros.

Formou-se em Literatura Portuguesa e Francesa com curso minor em Literaturas do Mundo e fez mestrado em Edição de Texto. Tem realizado desde 2007 diversos cursos de literatura portuguesa e hispano-americana, para além de outros trabalhos de produção ligados à literatura, nomeadamente na área do surrealismo e da edição independente.

Fundou e foi presidente da Associação Cultural Respigarte e do grupo teatral A Mancha. É produtora do Reverso – encontro de autores, artistas e editores independentes, do Colectivo Prisma e do Muito Cá de Casa da Casa da Cultura de Setúbal, para as questões da literatura, onde é também moderadora. Colabora com a direcção da Cossoul em questões de produção, programação e associativismo e mantém ainda o blog Estórias com livros.