A partir de novembro, só os passageiros com embarque prioritário podem levar duas bagagens de mão na cabine do avião. Os restantes deverão encaminhar a maior mala para o porão, gratuitamente. É a nova política de bagagem da Ryanair, que pretende reduzir os atrasos provocados pelo excesso de bagagem, que não cabe na cabine.

Depois dos descontos para estudantes de Erasmus, a Ryanair faz agora mudanças na política de bagagem. Esta é uma das novas medidas do programa “Always getting better” da companhia aérea, que pretende encorajar os passageiros a despacharem as suas malas para o porão, uma vez que a falta de espaço na cabine para todas as malas tem provocado atrasos nos voos.

Por isso, a partir do próximo dia 1 de novembro, há mudanças para quem viaja com a Ryanair. Os passageiros com embarque prioritário, ou seja, aqueles que pagaram um extra de 5€ no momento da compra do bilhete ou 6€ até uma hora antes do voo para escolher o seu lugar, poderão levar consigo as duas malas na cabine.

Todos os outros passageiros vão poder levar apenas a mala mais pequena consigo na cabine do avião, sendo a maior despachada gratuitamente para o porão. “Esperamos que, ao restringir os clientes não prioritários a uma pequena mala – a maior deve ser colocado no porão, gratuitamente no portão de embarque – isso vai acelerar o embarque nos voos e eliminar os atrasos  causados por não haver espaço suficiente na cabine em voos ocupados para acomodar mais de 360 (182 clientes x 2) malas de mão”, refere Kenny Jacobs, diretor de marketing da Ryanair, em comunicado.

Mas há mais mudanças na política de bagagem da companhia. O peso máximo das malas aceites no check-in passa de 15 para 20 kg e o preço também vai baixar: dos 35€ atuais para 25€, também a partir de novembro.

Estas medidas vão custar à Ryanair cerca de 50 milhões de euros por ano, mas a companhia acredita que aumentar o peso máximo e diminuir o custo do check-in das malas vai diminuir o volume de malas nas cabines.