motelx

MOTELX’17: A apoteose chega no fim do 3.º dia

O Espalha-Factos está a marcar presença nesta 11.ª edição do MOTELX, e traz-te os filmes de maior destaque. Os dias 6 e 7 foram dois dias de uma boa seleção no maior festival de cinema de género em Portugal, mas a pérola maior chegou quando o calendário já marcava dia 8.

The Void – 6/10

(Secção Serviço de Quarto)

motelx

The Void foi a primeira proposta verdadeiramente violenta da edição de 2017 do MOTELX. Há aqui macabro e grotesco para gerar aos mais sensíveis pesadelos durante dias, sendo este um filme temática e pictoricamente bem inspirado.

O orçamento baixo não joga contra si, pelo contrário: a espetacularidade neste filme deve-se aos efeitos visuais práticos. Por momentos, evoca-nos o muito próximo Baskin (presente na edição do ano passado), mas é injusto aproximá-lo imediatamente, visto que esta é uma fita com os seus próprios momentos de glória.

Ainda assim, sofre com um elenco relativamente fraco e uma progressão narrativa com os seus momentos menos consistentes. O seu desfecho enigmático é divisivo e a ausência de aplausos no final apenas o comprovou.

A obra de Jeremy Gillespie e Steven Kostanski é uma adição curiosa ao género, mas seria interessante ver o mesmo filme com um maior orçamento.

La Región Salvaje / The Untamed – 7/10

(Secção Serviço de Quarto)

motelx

Está prestes a começar a sessão quando a organização do MOTELX avisa que o novo filme de Amat Escalante poderá gerar reações díspares na audiência. É verdade: nuns míseros 30 segundos, já perto do terceiro ato, são-nos dadas a ver imagens que vamos ter dificuldades em apagar da mente.

Até lá, La Región Salvaje é um filme que joga muito com a sugestão e antecipação, não passando, no entanto, de um drama arthouse competentíssimo, com uns toques de ficção científica. Ainda assim, é admirável a conjugação balançada dos dramas amorosos de três familiares e de uma desconhecida com a existência da criatura misteriosa.

Vencedor do Leão de Prata para Melhor Realizador no Festival de Cinema de Veneza no ano passado, La Región Salvaje é uma mescla bem-sucedida de dois géneros  que certamente deixou a sua marca nesta 11.ª edição do MOTELX.

The Endless – 5/10

(Secção Serviço de Quarto)

motelx

À semelhança de The Void, The Endless é mais um filme com uma ideia interessante, mas uma execução muito limitada pelo orçamento. Infelizmente, a obra realizada e protagonizada por Justin Benson e Aaron Moorhead tem mais ainda onde falhar, diga-se, na progressão da trama.

O destino final do enredo é fascinante, mas o caminho para lá chegar é um falhanço. Até metade do filme desenvolve-se como um drama aceitável, mas quando a fantasia aparece em cena a qualidade desce a pico; as tentativas – intencionais ou não, é indecifrável – de introduzir comic relief eram escusadas e a quantidade de revelações é um exagero que gera a confusão.

Ainda assim, ficamos desejosos de ver mais de Benson e Moorhead. O par de amigos revela nesta obra uma imaginação galopante e quem sabe qual teria sido o resultado final com um pouco mais de calma na ânsia de surpreender a audiência.

Rökkur / Rift – 7/10

(Secção Prémio Melhor Longa de Terror Europeia)

motelx

Vindo do frio da Islândia, Rökkur é um thriller psicológico que oscila com precisão entre o drama romântico e o terror sobrenatural. Há talento na maneira como Erlingur Thoroddsen dirige a atmosfera desta história que, ora dentro duma cabana, ora na paisagem gelada que a rodeia, parece sempre um mundo isolado de qualquer contacto exterior, transportando-se a bela cinematografia para o centro do cenário.

Os protagonistas, Bjorn Stefánsson e Sigurður Þór Óskarsson, entendem o arco dos seus personagens e convencem-nos tal como se fosse o seu, em duas performances que sustentam o filme.

Infelizmente, Rökkur não é isento de falhas. Há momentos em que determinada estética e dinâmica de telefilme se impõem e muitas das mensagens mais ambíguas não parecem ter muito contributo para a história.

É de destacar, no entanto, as múltiplas interpretações a que a obra de Thoroddsen conduz, o que acaba por ser o que, findado o terceiro ato, a eleva verdadeiramente.

Hounds of Love – 10/10

(Secção Serviço de Quarto)

motelx

A Austrália tem vindo a ganhar boa reputação com thrillers negros ao longo da presente década. Aplaudido no Festival de Cinema de Veneza do ano passado, Hounds of Love chega um ano depois ao MOTELX, à meia-noite. E chega com um estrondo.

É a primeira longa-metragem realizada e escrita por Ben Young, mas jamais o diríamos se não o soubéssemos. O que o realizador consegue com Hounds of Love é um feito digno de mérito. Em toda a sua escuridão, esta obra perturbadora é a experiência cinematográfica por excelência.

Visualmente, tem uma cinematografia aflitiva, que nos corta a respiração com os seus inquietantes slow motions. O pânico reina num enredo asfixiante em que antecipamos constantemente o pior, quer pelos olhos desesperados de Ashleigh Cummings, quer pela devassidão e instabilidade de Emma Booth, em dois desempenhos extraordinários que se complementam. As atrizes são a força motriz duma fita negra como poucas, em que o que se passa detrás de portas fechadas choca mais que qualquer imagem.

Chega o final e, já esgotados de tanto sofrimento, toca Atmosphere dos Joy Division; é o derradeiro grito de liberdade, o verdadeiro expurgar de tensão. Tememos pela nossa protagonista até aí, mas chegado aquele tão esperado desfecho, ouvem-se suspiros, há lágrimas a correr, existe verdadeira apoteose. Os aplausos fortes não teimam em chegar para a nova obra-prima do cinema australiano.

Houve verdadeira e crua emoção na Sala Manoel de Oliveira durante Hounds of Love. Foi para isso que nasceu o MOTELX. Foi para isso que nasceu o cinema.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
The Crown
‘The Crown’. Novo trailer destaca relação entre Diana e Charles