A partir de dia 14 de setembro, a Casa Fernando Pessoa recebe obras de 18 artistas, que captam a expressão, o movimento, os lugares e as palavras do poeta português.

Da autoria de artistas nacionais, como Júlio Pomar, Costa Pinheiro, Manuel Amado, Jorge Martins, Ana Hatherly e Almada Negreiros, saem das reservas da Casa Fernando Pessoa peças que captam a expressão, o movimento, os lugares ou as palavras de Fernando Pessoa. Todas elas representam diferentes abordagens à figura do poeta ou à matéria do poema.

“Os deuses debruçam-se do parapeito da escada” é a frase que serve de alavanca para que seja também contada um pouco da história da Casa Fernando Pessoa desde a sua abertura, em 1993. Vão ser também mostradas obras recentemente doadas.

LÊ TAMBÉM: EDITORA GUERRA E PAZ PUBLICA NOVA EDIÇÃO DE ‘ORGULHO E PRECONCEITO’

A última casa de Fernando Pessoa

Casa Fernando Pessoa

Foto: página oficial Casa Fernando Pessoa

É em Campo de Ourique que fica a casa onde o poeta Fernando Pessoa morou nos últimos 15 anos da sua vida, de 1920 a 1935. Atualmente, esta é uma casa cheia de vida e cultura, onde se pode visitar o quarto do poeta, com a cómoda original, sobre a qual Pessoa deu voz aos seus principais heterónimos.

É aqui que se pode ver a máquina de escrever, os óculos e blocos de apontamentos que acompanharam este português nos últimos tempos da sua vida. É também aqui que se pode visitar a sala multimédia – o Sonhatório – e ainda a preciosa biblioteca particular do autor, digitalizada e disponível para consulta online.

A Casa Fernando Pessoa recebe regularmente colóquios, espectáculos, debates e conferências sobre literatura, exposições e oficinas para o público infantil. Tem também uma biblioteca, especializada em poesia e em Fernando Pessoa, de livre acesso.

Programa da Casa Fernando Pessoa

O programa da Casa Fernando Pessoa para os próximos dois meses inclui também nos dias 13 e 14 de outubro as últimas sessões do programa Fixando breve o momento, integrado na programação de Passado e Presente – Lisboa, Capital Ibero-Americana da Cultura 2017.

Nesses dois dias do mês de outubro, Leila Guerriero e Graciela Mochkofsky, cronistas da Argentina, Fernando de Barros, cronista brasileiro, e Julio Villanueva Chang, cronista peruano, juntam-se para falar sobre crónicas e o mundo, na Casa Fernando Pessoa.

Para dia 13 está ainda marcada uma mesa redonda, moderada pelo jornalista Adelino Gomes. Para dia 14 estão marcadas na agenda leituras com sonoplastia ao vivo.

Estas duas iniciativas começam às 18h30 e têm entrada livre.