Parece que ainda ontem começou a sétima temporada de Game of Thrones e já chegámos ao grande final. No meio de tantas guerras, mortes e revelações, fica um sabor agridoce de que a temporada podia, na verdade, ter sido melhor. O novo episódio, intitulado The Dragon and the Wolf, estreou no canal HBO no dia 27 de agosto. Em Portugal, a série é exibida no SyFy às segundas-feiras.

King’s Landing

Chegou o momento em que todos os protagonistas da série se reúnem num local. Jon Snow (Kit Harington) chega à capital acompanhado dos seus novos e antigos aliados, incluindo Brienne (Gwendoline Christie), Missandei (Nathalie Emmanuel), The Hound (Rory McCann), Tyrion (Peter Dinklage), Jorah (Iain Glen), Theon (Alfie Allen), entre muitos outros.

Cersei (Lena Headey) faz-se acompanhar de Jaime (Nikolaj Coster-Waldau), Euron (Pilou Asbaek) e o restante conselho. Daenerys (Emilia Clarke), por seu turno, faz uma entrada teatral, chegando à ocasião montada num dos seus dragões.Game of Thrones

Os primeiros momentos são uma montagem brilhante em que certos reencontros são marcados pela saudade e outros pela tensão: Theon com Euron, Jaime com Brienne, Cersei com Tyrion… até o The Hound teve direito a rever o seu irmão!

Está na altura, contudo, de tratar de negócios. Jon anuncia o famoso “inimigo” do norte e apresenta o morto-vivo capturado como prova. Cersei aceita prestar apoio, apenas se Jon se mantiver afastado da guerra entre rainhas. O Rei do Norte recusa pois, como sabemos, já tinha “dobrado o joelho” a Daenerys.

Tyrion tem direito a um encontro privado com a sua irmã, em que o vinho foi alternativa ao assassínio mútuo. Cersei admite a gravidez (da qual eu continuo desconfiado) e Tyrion parece convencer a irmã mais velha, que regressa ao encontro e anuncia a sua ajuda incondicional contra os White Walkers.Game of Thrones

Claro que esta rainha tem sempre truques na sua manga. Em privado, ela confessa a Jaime que não planeia ajudar ninguém. Pelo contrário, enviou Euron para o continente vizinho, de modo a recrutar os mercenários da Companhia Dourada. Completamente farto das mentiras e dos jogos da gémea e amada, Jaime decide abandonar a capital.

Este encontro megalómano entre personagens esteve à altura devida, admito. Cersei manteve-se fiel aos seus instintos de sobrevivência e superioridade, enquanto Jaime saiu da sua asa e ganhou espaço para ter uma história própria. Resta perceber o poder de persuasão de Tyrion… desconfio que haja mais na conversa entre irmãos do que o episódio tenha dado a entender.

Lê também: Temporada final de ‘Game of Thrones’ começa a ser filmada no outono

Enquanto isso, também Theon teve espaço para uma pequena luz da ribalta: vendo Jon a assumir a liderança, também ele quer fazer a diferença na sua família. Como tal, convence os seus homens a resgatarem a sua irmã Yara (Gemma Whelan), que continua sequestrada por Euron. Um capítulo que fica por fechar em 2018.Game of Thrones

Winterfell

Littlefinger (Aiden Gillen) continua a tentar infiltrar-se na relação entre Sansa (Sophie Turner) e Arya (Maisie Williams) mas, felizmente, a irmã mais velha decide abrir os olhos. No que parecia ser o julgamento de Arya, é Littlefinger chamado à acusação.

O homem é acusado de assassínio e traição, à medida que Sansa relata o envolvimento dele nas mortes dos Aryn e na traição contra a casa Stark durante a primeira temporada. A sentença está fechada e Arya, sem piedade, corta a garganta de Littlefinger. Já não era sem tempo!

Mais tarde, o norte é prendado com uma nova chegada: Samwell (John Bradley) e a sua família. Sam encontra-se com Bran (Isaac Hampsted Wright), sendo que este último decide revelar pela milésima vez os seus poderes de clarividência e esclarecer um assunto importante.

Game of Thrones

Bran confirma a teoria de que os pais de Jon são, efetivamente, Rheager Targaryen e Lyanna Stark, e que o seu nome é, na verdade, Aegon. Como tal, Jon não é um bastardo, mas sim o herdeiro legítimo do trono. Algo que, no fundo, já toda a gente sabia.

A novidade surge quando, à medida em que esta história é relatada, Jon e Daenerys têm finalmente um momento íntimo a sós no quarto, tornando realidade o sonho de inúmeros fãs. No exterior, Tyrion assiste à situação, claramente perturbado. Serão apenas ciúmes ou alguma vingança mais profunda?

À medida que estes motivos ficam por explicar e o novo casal sensação se torna oficial, somos levados de volta para a muralha. Nos últimos minutos do episódio, o Night King comanda o seu novo dragão ressuscitado na destruição de parte da muralha, permitindo que toda a armada de White Walkers siga rumo a sul.Game of Thrones

Olhando para trás, esta sétima temporada de Game of Thrones veio piorar tudo: as alianças de Daenerys foram todas perdidas, um dos seus dragões mudou para o lado inimigo, Cersei continua a querer destruir tudo e todos, e os mortos-vivos estão finalmente a caminho do continente. Já para não falar que a herança de Jon Snow já havia sido divulgada anteriormente mas toda a gente continua a bater nesta tecla.

A temporada foi absolutamente apressada e previsível, não havendo tempo sequer para acompanhar as viagens dos personagens. A preocupação principal era juntar Jon e Daenerys, colocando-os à força no trono. Se os seis episódios que nos esperam em 2018 trouxerem este género de serviço de conto de fadas, o meu entusiasmo é pouco ou nenhum.

NOTA: 7/10