O workshop de teatro, levado a cabo pelo encenador e formador João Rosa, vai decorrer entre os dias 28 e 31 de agosto, na Casa do Artista, em Lisboa.

Destinando-se a qualquer pessoa com vontade de sair da rotina e de vivenciar uma nova experiência, além dos estudantes e profissionais das artes, este workshop visa proporcionar elementos criativos através de estímulos vocais e físicos, explica a organização do evento.

Através da repetição de alguns exercícios o encenador pretende que os participantes adquiram uma noção espacial com todas as suas mais valias. O participante vai, por isso, sofrer uma consciencialização e descoberta do seu corpo e voz e de como estes dois se podem unir ou serem dissonantes.

Após esta consciencialização, vai ficar assegurado um caminho mais fácil para o enriquecimento e para a autodescoberta, é prometido pela organização.

Nas sessões vão ser ainda criados incentivos para o movimento cénico que facilitam a criação de uma segunda linguagem através do físico. Será assim iniciada uma construção cénica, sem se recorrer a artifícios ou adereços, tendo como recurso apenas o corpo e a voz, pode ler-se num comunicado enviado à imprensa.

Vão ser quatro dias, durante os quais vai estar presente a repetição como método com vista a aprimorar e consolidar as descobertas e aquisições fruto da experiência vivida.

As sessões vão decorrer entre as 20h00 e as 23h00 tendo. O workshop tem um preço de 90 euros.

João Rosa

João Rosa

Foto: Oficinas Teatro Lisboa

Encenador e ator português, iniciou a sua carreira em 1998.

Conta alguns trabalhos de produção própria tal como Ode Marítima de Álvaro de Campos no Auditório Camões, em 2012 e 2013, O crime de Aldeia Velha de Bernardo Santareno no Palácio da Independência, em 2011, A Casa de Bernarda Alba de Federico Garcia Lorca também no Palácio da Independência em 2010 e o texto Antes de começar/Os bonecos de Almada Negreiros, um espectáculo itinerante que esteve em cena em Lisboa, Peniche e Viseu no ano 2005.

Entre 2001 e 2005 dirigiu um Fórum Cultural onde produziu e criou peças de cariz experimental. Enquanto actor e encenador, desenvolveu performances em espectáculos tais como Zé das Couves, uma comédia musical, Chapelinho Rosa Shock um musical infantil, baseado na história do Capuchinho Vermelho e As Férias, um teatro mudo.

Enquanto docente encenou também diversos trabalhos.

Lê também: ‘Teatro estático. Fernando Pessoa’ reúne toda a dramaturgia do poeta