Uma start-up portuguesa acaba de lançar uma aplicação móvel que pretende ligar os turistas aos habitantes das cidades visitadas, através de um chat online. O objetivo é simples – é que “em cerca de dois ou três minutos colocar o turista a falar com um local, que pode dar dicas sobre a cidade”, revela André Dias, um dos fundadores da SnapCity.

A aplicação já foi descarregada mais de 2500 vezes e conta já com quase 1000 locals. A SnapCity está, para já, apenas disponível para utilizadores do sistema operativo Android.

O viajante recebe conselhos privilegiados rapidamente sem ter de recorrer à internet ou guias online. O habitante partilha os seus conhecimentos sobre a cidade e, no final, pode receber uma gorjeta.

A gorjeta não é obrigatória – cabe ao turista decidir se quer compensar o “conselheiro” pela ajuda. Cada gorjeta pode ir até 50 euros. Os valores entregues pelos turistas ou acumulados pelos habitantes ficam visíveis no perfil de cada um e são um dos elementos importantes no sistema para ajudar a “filtrar quem são os bons e os maus” utilizadores. As classificações e comentários são obrigatórios no final de cada chat.

A ideia de criar a app surgiu numa viagem de André Dias à Ásia. Como não é fã de guias nem de livros de viagens, decidiu consultar o Tinder para pedir dicas a pessoas locais. Depois do sucedido, surgiu a ideia de fazer nascer uma aplicação que permitisse ligar habitantes e turistas de uma forma simples e imediata, como um chat online.

Como funciona a SnapCity

O turista escolhe uma das cidades disponíveis e faz o pedido – a própria aplicação dá-nos algumas sugestões. Nesse momento, todos os habitantes inscritos nessa cidade – e especialistas naquele tópico ou assunto – recebem uma notificação. Quem achar que consegue ajudar o turista, aceita. O viajante recebe depois indicação sobre quem está disposto a ajudá-lo, escolhe com que deseja falar e abre-se uma janela de chat.

No final, avalia a qualidade da dica e decide se quer deixar uma gorjeta.

“Não esperávamos tanta adesão dos locals

Em duas semanas de existência (a app foi lançada a 17 de julho), a aplicação móvel foi descarregada mais de 2500 vezes e ajudou cerca de uma centena de turistas. O que surpreendeu mais a equipa é o número de portugueses dispostos a dar dicas e conselhos – “não esperávamos tanta adesão dos locals”, confessa André Dias. Há já 600 registados em Lisboa e 250 no Porto, as duas cidades com que estrearam a aplicação.

Para já, está apenas disponível para android. A versão para iOS deverá ser lançada no fim do ano.

A expectativa é chegar ao final do ano com, pelo menos, 30 mil utilizadores e presença marcada “em todas as cidades de Portugal e em algumas capitais europeias”, afirma um dos fundadores.

Estamos a perceber que há bastante interesse e locals disponíveis noutras cidades, inclusive lá fora. Já tivemos pessoas de Madrid e de Paris a pedir [para serem locals], por isso provavelmente vamos até antecipar a expansão”, revela André Dias, falando das grandes cidades europeias como Londres, Paris, Madrid, Amesterdão, Berlim ou Roma.

Por enquanto, a única fonte de receita da empresa são as gorjetas – a SnapCity fica com uma comissão de 30% sobre cada gorjeta.