João Céu e Silva

A presença da troika no novo romance de João Céu e Silva

A Hora da Ilusão, novo romance de João Céu e Silva, publicado pela Gradiva em julho, tem a presença da troika em Portugal como tema central.

Escrito entre 2013 e 2015, o livro conta a história de vida de Xavier, um arquiteto que se vê obrigado, como tantos portugueses, a deixar o seu país natal na busca de melhores condições de vida.

Fora de Portugal reencontra um emprego, como carpinteiro, numa propriedade agrícola no hemisfério de baixo.

Acaba, no entanto, por exercer tarefas de escultor de árvores.

Para o autor, esta obra é «a interpretação literária de um dos pesadelos que a presença da troika em Portugal mais provocou: o desemprego».

Xavier é assim a personificação de milhares de portugueses que sofreram as consequências deste pesadelo que assolou Portugal.

Representa aqueles que abandonaram as suas origens e o seu modus vivendi e a procurar, sem grandes expectativas, um novo rumo de vida no estrangeiro.

É, por isso, «uma história que merece ser contada», afirma o autor.

João Céu e Silva
Foto: divulgação

Sobre o autor…

João Céu e Silva nasceu em Alpiarça, em 1959. Licenciado em História, é, desde 1989, jornalista no Diário de Notícias.

Em 2002, publicou a novela 28 dias em Agosto e, em 2013, recebeu o Prémio Alves Redol pelo romance A Sereia Muçulmana.

Publicou também um livro de viagens Caravela Tropical, em que é relatada a recriação da viagem de descoberta do Brasil, dirigida por Pedro Álvares Cabral, em 1500, e recriada 500 anos depois a bordo da caravela Boa Esperança.

Na área historiográfica, editou 1961 – O Ano Que Mudou Portugal, 1975 – O Ano do Furacão Revolucionário e Fátima. A Profecia que Assusta o Vaticano.

É autor ainda da série de investigação literária Uma Longa Viagem… , na qual revisita a obra de escritores, como José Saramago, António Lobo Antunes, Álvaro Cunhal, Manuel Alegre e Miguel Torga.

LÊ TAMBÉM: NOVIDADES DE AGOSTO EM LIVROS
Mais Artigos
Lily James como Mrs. de Winter em Rebecca
Lily James revela que se sentiu “sugada” pela sua personagem em ‘Rebecca’