Super Bock Super Rock, primeiro dia: da poesia aos clássicos de rock’n’roll

A 23.ª edição do Festival Super Bock Super Rock arrancou ontem no Parque das Nações, em Lisboa. Da poesia à garagem, passando pelo psicadélico, fomos completamente arrebatados com o melhor do rock’n’roll de Portugal e de fora.

Os relógios marcam as 15 horas e é altura de abrir as portas do recinto pela primeira vez este ano. Está um dia de verão radiante e já dezenas de festivaleiros esperam à entrada para poderem começar a sua aventura. É possível ver uma multidão de fãs de Red Hot Chili Peppers a correr para a frontline do Palco Super Bock,  onde o grupo iria atuar mais tarde, no fim desta noite. Mas calma, antes de chegarmos ao ponto alto do primeiro dia do festival, e provavelmente o mais esperado desta edição, há mais, muito mais.

Os restantes festivaleiros que entraram atempadamente, aproveitam para explorar o recinto, relaxar e conviver, enquanto esperam pelo primeiro concerto do desta edição.

São 17h30 e é o Palco EDP que recebe o primeiro concerto do dia, Alexander Search, o novo projeto de Júlio Resende e Salvador Sobral. Alexander Search (heterónimo de Fernando Pessoa) é um grupo maravilhosamente capaz de combinar o jazz, o rock, o indie-pop e a música eletrónica, ao interpretar os poemas do poeta.

Cada músico assume uma personagem fictícia na banda, que representam os vários heterónimos ingleses do poeta: Augustus Search (composição, direção musical, piano e teclados), Benjamin Cymbra (voz), Marvel K. (guitarra), Sgt. William Byng (eletrónica) e Mr. Tagus (bateria) são os cinco elementos dos Alexander Search, e foi assim mesmo que se apresentaram em concerto.

Sempre bem dispostos e com muita energia em palco, deliciam-nos com um concerto repleto de musicalidades diferentes, que resultam numa harmonia sedutora e envolvente. O público rende-se, sorrindo, dançando, assobiando e aplaudindo vigorosamente, tornando este concerto num dos mais bonitos momentos do dia.

Pelas 18h40, no mesmo palco, apresentam-se os Boogarins, a banda brasileira de rock psicadélico que, entre energéticas batidas e guitarradas, conseguiu deixar o público completamente alucinado.

Passamos para o primeiro concerto no Palco LG by SBSR.fm, com Minta & The Brook Trout, onde a voz doce e a melodia envolvente se sente, se canta e se dança.

Às 20 horas é altura de voltar ao Palco EDP, para o concerto da banda americana The Orwells. Sobem a palco para apresentar o novo álbum Terrible Human Beings e mostrar que o rock’n’roll de garagem está vivo e bom de saúde, com uma energia frenética e contagiante que faz desafiar os tímpanos, mas num bom sentido, claro. Demonstram amor e cumplicidade ao público, e o público responde imparável com sorrisos autênticos, pés fora do chão, gritos, cabelos ao vento e até mosh.

Pelas 20h40 começa o primeiro concerto do Palco Super Bock, o palco principal, no Meo Arena. The New Power Generation (banda de Prince) sobem a palco com o o músico americano Bilal. A fadista Ana Moura, que em 2010 atuou com Prince neste festival, ainda no Meco, foi convidada a subir a palco para fazer um remake desse célebre momento, que recorda com carinho. Só faltou mesmo Prince.

Pouco depois, às 20h50, Manuel Fúria e Os Náufragos sobem ao Palco LG by SBSR.fm com um rock português super dançante, perfeito para um fim de tarde magnífico.

Às 21h20, o Palco EDP volta a receber outro grande artista, desta vez Kevin Morby, com o seu indie-rock americano irresistível aos ouvidos dos portugueses.

Uma hora mais tarde é a vez dos Capitão Fausto regressarem ao festival, mas pela primeira vez no maior palco de todos: o Palco Super Bock. Já com a Meo Arena bem composta, quer na plateia, quer nos balcões, a banda apresenta canções de todos os álbuns.

O público rende-se e acompanha todas as letras em coro, complementadas com muitos aplausos e assobios de todo o lado. Perto do fim, o grupo agradece e pede ao público uma salva de palmas para celebrar a amizade, não estivéssemos nós no Super Bock Super Rock, não é verdade?

Definitvamente um  momento importante para a banda e para a música portuguesa, afinal de contas, estamos todos a aquecer para o regresso tão esperado dos cabeça de cartaz desta noite, já a seguir.

21h50 e passamos rapidamente para o Palco EDP, onde está já a atuar The Legendary Tigerman, o “homem-orquestra” responsável por alguma da melhor música portuguesa dos últimos tempos.

Desta vez apresenta-nos um registo diferente, e único: Misfit, uma antevisão muito especial do seu próximo disco que sai no início de 2018, gravado pela primeira vez gravado fora do seu habitual formato one-man-band. A irresistível voz de Paulo Furtado é acompanhada de Paulo Segadães na bateria, João Cabrita no saxofone e Filipe Rocha no baixo, resultando numa melodia forte, fantasiosa e extremamente cativante, que deixou o público do primeiro ao último minuto.

É meia noite e está tudo pronto para o momento mais aguardado desta edição: sim, o concerto dos Red Hot Chili Peppers. Passados 11 anos, esta icónica banda regressa a Portugal com a sua tão característica sonoridade de rock,com influências do punk e do psicadelismo.

Faltam 15 minutos para subirem ao Palco Super Bock e o público está ao rubro, ecoam gritos e assobios frenéticos de ansiedade e excitação. Não há espaço para mais ninguém: quer na plateia, quer nos balcões, quer nas escadas, quer em todo o lado – o Meo Arena está completamente lotado, e o melhor é que está toda a gente de pé, como se estivessem frontline.

A intensidade com que o público evoca a banda aumenta, e de repente, começamos a ouvir uma sonoridade fascinante, sem percebermos de onde vem. Dois ou três minutos depois, a sonoridade continua, as luzes apagam por completo, e vemo-los entrar subtilmente em palco.

O público entra em êxtase e a banda começa a presentear-nos com as suas incríveis guitarradas de Josh Klinghoffer, acompanhadas pela frenética bateria de Chad Smith, e claro, o fantástico baixo de Flea. As luzes regressam, agora acompanhadas de projeções psicadélicas. Os solos instrumentais continuam, puxando cada vez mais pelo público, ainda que não desse para perceber o que aí vem.

E eis que começamos a reconhecer certas sonoridades a desenvolver: é a Can’t StopO público acompanha com toda a força e entusiasmo, resultando numa harmonia perfeita com a voz de Anthony Kieds.

Após a primeira música, cumprimentam o público e arrancam com a Snow (Hey Oh), seguida do single do novo álbum, a Dark Necessities. Começam então a apresentar temas do novo álbum, intercalados pelos êxitos de sempre, como a Californication ou a By The Way, com a qual saem de palco agradecendo ao público por estarem ali a incentivar a música ao vivo, depois de uma hora de concerto.

O público não pára de aplaudir, gritar, assobiar, e pedir mais. Entretanto, este encore, que durou quase 5 minutos, é finalmente quebrado pela Goodbye Angels do novo álbum. Esta segue-se pelo single de 16 anos, a Give It Away, com a qual terminam definitivamente o espetáculo e se despedem com um “Peace and Love, always”.

Um concerto muito intenso, marcado por um público completamente frenético, pelas incríveis e energéticas prolongações instrumentais, pelo jogo de luzes ridiculamente bom, articulado com grafismos sensacionais, e claro, por uma banda que fica eternamente no coração de todos.

Sem dúvida que os Red Hot Chili Peppers não cederam às altas espectativas e deram provavelmente um dos concertos mais empolgantes de sempre.

A noite continua no Palco Carlsberg com Tuxedo, e por fim, a dupla eletrónica mais irrequieta e criativa do panorama musical português, Moullinex + Xinobi.

Afinal, o primeiro dia do Super Bock Super Rock não esgotou por acaso. Hoje há mais, e amanhã estamos cá para vos contar tudo!

Imagens de João Marcelino.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Kelly Bailey Bem Me Quer
‘Bem Me Quer’ sobe em horário nobre e SIC lidera dia por pouco