Media Capital TV Altice
Fotografia: Pexels / John-Mark Smith

O que muda com a Altice na Media Capital?

Inicialmente eram só rumores. E chegaram a ser desmentidos. No fim do mês passado, a trama adensou-se: a Altice confirmava que estava a negociar a aquisição da Media Capital, um dos maiores grupos de comunicação social a operar em Portugal. Hoje foi posto um ponto final às dúvidas, o gigante francês comprou mesmo a dona da TVI. O que muda?

Se a tradição ainda for o que era, para começar a Altice vai querer reduzir pessoal na operação da holding portuguesa. Está a ser assim na PT, onde a empresa anunciou intenções de despedir três mil pessoas numa próxima reestruturação, e também foi assim na francesa SFR, onde a redução deverá chegar aos cinco mil postos de trabalho. Em 2012, quando entrou na Cabovisão, dispensou 100 dos 370 trabalhadores da empresa.

Em declarações que geraram polémica, o primeiro-ministro, António Costa, já veio manifestar apreensão quanto ao futuro dos trabalhadores na PT Portugal. Numa conferência de imprensa dada esta sexta-feira (14), o CEO da Altice, Michel Combes, afirmou que “qualquer país estaria satisfeito com o investimento que estamos a fazer”, anunciando que esta aposta em Portugal é feita para “que o país esteja entre os melhores”.

No entanto, a empresa não confirma para já qualquer decisão quanto aos recursos humanos da Media Capital. No comunicado que envia à Comissão de Mercado e Valores Mobiliários (CMVM), as principais mudanças enunciadas têm a ver com o desenvolvimento das várias áreas de negócio do grupo.

De Bucelas… para o mundo

Uma das principais alterações no negócio da Media Capital é o objetivo traçado pela Altice de que a Plural sirva como “um núcleo de produção de conteúdos global”. O grupo francês tem feito significativos avanços na produção de conteúdos internacionais, tendo mesmo lançado este ano a série internacional Riviera.

No documento enviado à CMVM é explicado que outra das metas passa pela exportação de conteúdo português para outros dos mercados em que a empresa opera, com especial foco nos Estados Unidos e na França.

“A maioria dos programas da Media Capital já são produzidos pela empresa com a sua própria produtora. Queremos também aplicar esse talento em produzir programas para os nossos outros canais”, avança Combes.

A Altice sublinha ainda que “quer fornecer mais conteúdos a todos os consumidores portugueses num mundo digital e, como tal, disponibilizar mais oferta centrada em formatos e produção locais”.

A expansão digital, que poderá passar pela fusão do Sapo com o IOL, agora pertencentes à mesma empresa, estará associada também ao desenvolvimento de novos canais, serviços e formatos televisivos nos compromissos assumidos pela Altice nesta aquisição.

É ainda realçada a importância de “melhorar o alcance dos canais fundamentais”, como o TVI24. O canal de informação da TVI continua a ser, apesar das melhorias recentes, menos visto que a concorrente SIC Notícias, sendo frequentemente ultrapassada também pela RTP3 e CMTV.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
João Villaret
Quem foi João Villaret, figura incontornável do teatro português?